Lá*

azul

Lá, onde o silêncio é rei,
Não há saudade do sol,
Não há medo,
Nem talvez,
Nem eu,
Nem tu,
Nem nós.

Lá, seremos sempre “eu”,
Depois do pranto e do adeus.
A tarde mora,
Morna, morta.

Comentários

Há 3 comentários para esta postagem
  1. Sidora Paiva 1 de novembro de 2012 21:16

    Poema massa, lindo, amei.

  2. Anchieta Rolim 1 de novembro de 2012 12:59

    Parabéns! É isso mesmo… e ponto final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo