Laub, Beckett, HQs, Aira

laub

Por Ronaldo Bressane

Lembro até hoje a primeira vez que ouvi: o riff matador em três acordes, a súbita diminuição de volume, a voz rouca, bêbada, zombeteira e infeliz, o refrão chiclete, as variações…

aqui

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP