Lembrando uma amiga: Hilda Hilst

Foi num fevereiro de 2004 que se encantou a poeta Hilda Hilst aos 74 anos. Uma das maiores vozes da poesia brasileira terminou seus dias morando num sítio nas cercanias de Campina-SP, com seus cachorros e fantasmas. Tinha sofrido uma queda e quebrou a perna.

Hilda Hilst escreveu 41 títulos. Teatro, Romance e a maior parte de livros de poesia.

Em 1980 a conheci pessoalmente em São Paulo numa noite de autógrafo e nunca mais me separei de sua poesia e vida a serviço da literatura.

Hilda Hilst nasceu na cidade de Jaú, interior do Estado de São Paulo, no dia 21 de abril de 1930, filha única do fazendeiro, jornalista, poeta e ensaísta Apolônio de Almeida Prado Hilst e de Bedecilda Vaz Cardoso.

Quando a poeta tinha poucos anos de vida os seus pais se separaram. O pai padecia de esquizofrenia e foi internado num sanatório em Campinas (SP), tendo nessa época 35 anos de idade. Até sua morte passou longos períodos em sanatórios para doentes mentais. Depois de uma vista ao pai, implorando amor e esquecido, um quadro dilacerante:

“Só três noites de amor, só três noites de amor”, implorava o pai, sim, o pai, ele nunca fizera uma coisa como essa, sim, era Jaú, interior de São Paulo, um dia qualquer de 1946, sim, a filha deslumbrante, tremendo em seus 16 anos, sim, o pai a confundia com a mãe, a mão dele fechada sobre a dela, sim, o pai a confundia com a mãe, a confundia, sim?…”

Em Aflição se ser… , um dos seus mais belos poemas que ofereço a todos os amantes da poesia e aos homens e mulheres substantivas.

Aflição de ser eu e não ser outra.

Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.

Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + dezoito =

ao topo