Limites entre a vida e a morte

Por Geraldo Alves S. Júnior

A literatura e arte são expressões da vida, e a vida é a política, e a política é a história. O nosso substantivo não reflete a prisão de figurões? o nosso substantivo não discute o que é ética?, o nosso substantivo não toma uma posição diante de tantos ladrões? . Isso é a morte, e a morte é insignificante diante da vida. Existe hierarquia? se sim, os céticos foram vencidos. A única hierarquia que existe é a política. Não merece muita consideração quem a ignora. Por que? por causa da existência em um mundo social. Beijos, abraços, elogios, adulações, sem a política é babaquice.

Comentários

Há 9 comentários para esta postagem
  1. Alice N. 29 de novembro de 2011 15:54

    Gerald, a própria escrita do seu texto, a publicação dele aqui e todos esses comentários gerados não são atos políticos (política principalmente no que diz respeito ao exercício de um tipo de poder)?

  2. Alex de Souza 29 de novembro de 2011 11:58

    só espero que a próxima contenda intelectual não seja por um lugar na janela da kombi.

  3. Jarbas Martins 29 de novembro de 2011 10:27

    Que venha o debate, caro João da Mata.Reconheço o seu trabalho na área cultural dessa entidade, mas acho que ela não deve ficar restrita apenas a eventos comemorativos.Às sua badaladas comemorações ( sem maiores novidades), lembrando Dom Quixote. Deve haver renovação, mesmo.Por que se restringir a livros e não expandair o crescente mercado de tablets, e-books etc? Essa modernização se faz necessária. Mas isso é só um detalhe.Deve haver renovação de quadros,o uso da imaginação é um antídoto contra o tédio, o marasmo, a mesmice. Você deve estar notando que não faço nenhum ataque pessoal. a quem quer que seja, por isso ou aquilo.Que falta faz um nome inteligente como Luiz Dasmasceno que foi, sem mais nem menos demitido da Cooperativa… Compreende ? Por que não a rotatividade no comando da Cooperativa? Por que a permanência de Willington Germano (com toda o respeito que tenho à sua pessoa?) É o que nós do movimento #A IMAGINAÇÃO NO PODER, que tenta fazer com que o professor Alex Galeno aceite a compor a chapa de oposição à Willington Germano, pregamos em nossa campanha.Renovação. criatividade! Por que ficar na estagnação ? Já que você soube ser irônico comigo (adoro a ironia, esse recurso da imaginação), chamando de “revolução” meu incipiente movimento de renovação da nossa Cooperativa, respondo aqui, caro João da Mata, à sua provocação, com uma perguntinha.É verdade que você comanda um movimenta uma campanha de reação, pela permanência do prof.Willington Germano no poder? E que esse seu movimento se chama # A PRIMAVERA GERMÃNICA ?

  4. João da Mata 29 de novembro de 2011 9:20

    Jarbas: e a política da imaginação ?

    Jarbas, sempre parcial nos seus comentários esqueceu de comentar que a Cooperativa tem um conselho administrativo composto de nove membros e que a sucessão ainda não foi discutida pela atual diretoria da qual eu faço parte como secretário e o conselho adminsitrativo é composto de nove representantes. Numa gestão colegiada. com represntantes de todos os setores da UFRN. Alem disso a Cooperativa tem um conselho fiscal e funcionários muito remunerados. Coopeartiva que na atual gestão deu um grande impulso na sua prestação de serviço á comunidade e tem servido de ponto de referencia como uma entidade que apoia a cultura do estado e tem incrementado muito a sua atuação no lançamento de livros, apoio a eventos culturais., Musica na Livraria, QUIXOTE COM ROSAS QUE NO PROXIMO ANO COMPLETA 10 ANOS E JARBAS ( mentor cultural ) nunca comentou publicamente. Esqueceu tambem de comentar os muitos eventos que eu produzi.

    Hoje, temos reunião do conselho. A imaginação no poder é o slogan da campanha de Jarbas que tem mostrado pouca imaginação e discernimento político.
    Conversando como seu candidato a presidente ele me disse que não estava sabendo de nada.
    Que venha a revolução de Jarbas, mas que ela seja negociada e pactuada. Também faço parte da Cooperativa desde a sua criação e estou disposto a entrar no debate político quando no tempo hábil.

  5. Tácito Costa 29 de novembro de 2011 9:18

    Geraldo,
    Nem subestimo e nem superestimo a política. Que está em tudo o que fazemos ou deixamos de fazer. Não sei a que tipo de concessões você se refere. Se puder, seja claro e direto. Reitero, o SP é uma publicação voltada à cultura. Embora publique textos sobre política, como bem lembrou, dando exemplos, João da Mata. Diferente de publicações impressas (e online também), geralmente mais fechadas em suas linhas editoriais (Ex. revistas Cult, Bravo, Rolling Stones, a nossa Preá – antes O Galo – etc), muitas vezes por questão de espaço, o SP é aberto, até por não enfrentar restrições de espaço, a abordar questões políticas. Eu acho que tem blogs de menos no RN sobre cultura e demais acerca da política. Fazendo, principalmente, fofoca política, tão ao gosto da maioria dos leitores potiguares. O SP continuará como sempre foi, quem não curtir que leia outros blogs, não fazemos questão de audiência maior ou menor.

  6. Jarbas Martins 29 de novembro de 2011 8:30

    Caro Spinelli, nunca me afastei da política.Desde a época de estudante universitário, quando militei no movimento estudantil, tenho pautado minha vida, segundo uma visão humanista que busque uma saída diante do perverso quadro que o Capitalismo nos impõe.Continuo com esse propósito.Atualmente, longe do radicalismo juvenil, que abracei nos terríveis anos de chumbo, ando ultimamente envolto em leituras sobre cooperativismo, economia solidária etc.Sou sócio-fundador da Cooperativa Cultural da UFRN e pretendo me engajar num movimento de renovação dos quadros dessa entidade.Estou tentando- e espero a ajuda de todos os que fazem a Cooperativa Cultural e pensam como eu – apoiar uma chapa de oposição à atual direção, representada pelo professor José Willington Germano.Se você for sócio da Cooperativa Cultural contamos com a sua valiosa ajuda.Abraços.

  7. João da Mata 29 de novembro de 2011 7:03

    Caro Spinelli Junior,

    Assim como você diz que só faz política na vida, nós –aqui – também. Estamos fazendo política há cinco anos. Política cultural e outras. Muitos artigos postados aqui tratam especificamente de politica e foram escritos por estudiosos do assunto. Os casos, por exemplo, dos professores Homero, Alípio, Menezes, Edmilson, etc.

    Estamos sempre comentando a politica. Seja localmente no Fora Micarla e outros desmandos locais que se for falar nunca vamos terminar, nacionais ( USP e outros ) e nas graves crises que acontecem no mundo árabe e na zona do Euro.

    Você como estudante de filosofia e conhecedor da cena potiguar, devia contribuir mais nos debates e na fundamentação politica dos temas abordados aqui. Temos feito o que melhor podemos e podemos crescer muito mais com as criticas e contribuições de pessoas com o seu conhecimento e discernimento político.

    atenciosamente,

  8. Geraldo Alves Spinelli Júnior 28 de novembro de 2011 23:57

    Nunca escrevi nada que naõ fosse política. Voce tácito substima a política ?, ou a separa ?……O que é a política se não a luta por liberdade ?. Não há separação, e isto é definitvo. Tácito voce faz concessões como jornalista. O admiravél mundo aceitáve! . A realidade é indefensável. Agora falarei francamente, devemos poupar os elogios, haveremos de considerar as intenções, sem pieguice, sem tréguas caro Jarbas. Até o fim ? …..não sei..

  9. Tácito Costa 28 de novembro de 2011 22:46

    Geraldo,
    Desde o princípio o SP tem essa linha editorial. Voltado mais pra questões culturais e da arte. Mas a política não é interdita aqui. O espaço é livre e cada um escreve o que quer. Nesse aspecto a liberdade é total.

    Existem dezenas de blogs que tratam muito de política e pouco ou nada de cultura e arte. Acho natural. Na internet, há espaços para todas as linhas editoriais, para todas as correntes de pensamento e ideologias. É a soma dessas vertentes que a faz tão rica e fundamental para o debate, para o contraditório e para enfrentar a força da grande mídia.

    Acho que é fácil resolver essa questão reclamada por você. Escreva aqui sobre política. Ou se resolver criar um blog sobre esse tema conte com a gente pra divulgá-lo e replicar os textos.

    Abç.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo