Literatura do RN

Por Thiago Gonzaga

Caros amigos

Com único intuito de divulgar os grandes escritores e grandes livros potiguares , agora existe um espaço para valorizar as nossas obras literárias.

Peço a voces gentilmente , que divulguem esse trabalho sem fim lucrativo, que quer apenas valorizar as obras e os autores da nossa terra. Todos os homenageados vivos, estão sendo comunicados e estão muito felizes.

Muitos dos grandes livros e autores do RN precisam ser reeditados e relançados urgentemente, é preciso chamar atenção dos governos estadual e municipal para essa causa .

Essa luta é de todos os Potiguares

101 livros do RN (que você precisa ler).

http://101livrosdorn.blogspot.com/

Grato

Comentários

Há 14 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 31 de outubro de 2011 5:08

    Para qual finalidade, compadre Jarbas, dar-se ênfase à loucura humana quando a arte é que é essencial?

    Vale lembrar, quanto a esse item, que o poeta Caetano já dizia: “De perto, ninguém é normal”.

    Ainda mais nesse campo minado chamado literatura…

    Seria necessária, talvez, a criação de centenas de cadeiras de “Psiquiatria da Literatura” ou coisa que o valha.

    Jarbas, abstraindo-se a sua ironia, isso seria mesmo…uma insanidade.

  2. Jóis Alberto 30 de outubro de 2011 23:15

    Alex, acrescentando mais meia dúzia de truísmos ao seu comentário: 1) normal é normal – sem aspas – e isso é bom! 2) Ninguém pode prever o futuro, saber com segurança se o seu cérebro, um dia, de repente, vai pirar ou enfrentar mal de Parkinson – e isso é ruim! 3) Combater preconceitos – isso é bom! 4) Reafirmar preconceitos – isso é ruim! 5) Tecer comentários banais por tecer comentários banais – não é bom nem ruim! 6) É não ter o que fazer!

  3. thiago 30 de outubro de 2011 22:11

    Depois que conheci a linda e rica literatura da minha terra ,decidi me formar em Letras unicamente para divulgar nossas obras e autores .Esse espaço com apenas um mês de vida, tem repercutido positivamente entre os jovens estudantes e novos leitores do RN , e o apoio e conselhos de vocês, me motiva a seguir em frente, divulgando e estudando nossas obras , para leva-las para o mundo.

    Grato

    Thiago Gonzaga

  4. thiago 30 de outubro de 2011 22:06

    Caros amigos, fiquei feliz ao saber da divulgação do blog nesse espaço tao importante para nós .

  5. Alex de Souza 30 de outubro de 2011 21:43

    Pra mim, doido é doido. E isso não é bom, nem ruim.

  6. Jóis Alberto 30 de outubro de 2011 15:25

    Jarbas Martins, ‘doente mental’, amigo? Esse conceito de doente mental é bastante polêmico, talvez ultrapassado. Pelo menos desde Foucault, possivelmente o primeiro a criticar o conceito de ‘doença mental’. Existem aqueles que fazem críticas semelhantes, como os antipsiquiatras, como Basaglia e outros. Não sei se o professor Nicolelis aceita essa noção de ‘doença mental’. Talvez aceite porque neurocientistas, muitos psiquiatras e psicólogos, em especial os behavioristas ou neobehavioristas/cognitivistas , que criticam Freud, falam não só em transtornos e distúrbios, mas também em doenças mentais – aspectos biológicos do cérebro, como neurotransmissores, sinapses, carga genética, etc -, para diagnosticar pessoas, que, talvez, melhor seriam denominadas, se fossem chamadas não de doentes, mas portadoras de estados diferentes do ser! Sim, ‘estados diferentes do ser’, expressão usada, por exemplo, pela grande junguiana Nise da Silveira, para se referir, por exemplo, a esquizofrênicos, como o genial Arthur Bispo do Rosário, o grande artista que, depois, muitos críticos de arte passaram a admirar. Além disso, mesmo críticos de Freud, como Deleuze & Guattari, no célebre “o anti-Édipo”, livro no qual criticam a psicanálise, criticam igualmente as noções tradicionais acerca dos esquizofrênicos, talvez um dos seres humanos que mais sofrem preconceitos, incompreensões e violências por parte da sociedade atual. A mesma sociedade preconceituosa que, no passado, condenou ao hospício – essa instituição decadente – artistas como o grande Artaud. Conhece as cartas que Artaud escreveu ao psiquiatra dele? É um pungente libelo contra a estupidez humana – estupidez que, muitas vezes, parece não ter limites! Como por (mau) exemplo, na época – e não faz muito tempo isso – do abandono a que muitos portadores de transtornos, neuroses e psicoses; transtornos psicossomáticos, estresse, sofriam nos hospícios – que eram mais depósitos de gente do que propriamente hospitais. Apesar disso, reconheço a importância da psiquiatria – na tradição de um Charcot, por exemplo, o grande precursor de Freud – e da neurociência, na terapia, com remédios, dessas pessoas. Hoje, felizmente e graças às grandes descobertas científicas nessa área – por neurocientistas, farmacêuticos, químicos, biólogos, geneticistas, psiquiatras, psicólogos, e secundariamente outros, como filósofos, físicos, linguistas e advogados (estes acerca dos aspectos legais e jurídicos das terapêuticas; ou nos casos muito graves de psicopatia ou sociopatia, a atuação da psiquiatria forense), por exemplo – os medicamentos e terapias, estas não só à base de remédios, possibilitam que muitos possam levar uma vida normal – sem aspas! – como a sua, a minha e a de muitos outros! A tendência, hoje, é de que somente em casos extremos de delírios – geralmente por pacientes portadores de transtornos, distúrbios ou manifestações sintomáticas mais graves, cujo tratamento é resistente mesmo aos sofisticados medicamentos de última geração, é que se impõe a necessidade do internamento hospitalar. São questões polêmicas, muitas das quais de conhecimento exclusivo dos profissionais da área, e não de conhecimentos amadores de literatos como nós. Então, felizmente que nenhum crítico literário, ou mesmo outro tipo de estudioso tenha se dedicado às ‘doenças mentais’ de alguns escritores potiguares, como os dois citados por você, Jarbas, porque por mais competente seja quem se dedicasse a tal empreitada – psiquiatras, psicólogos, psicanalistas, etc – tais ‘estudos’, ‘ensaios’, na atualidade, correm o risco de ficarem irremediavelmente datados, ultrapassados, em pouco tempo, devido às grandes renovações nessa área – renovações tanto nas concepções teóricas, quanto nas práticas terapêuticas e até nos aspectos jurídicos, como recentemente ocorreu com a nova legislação decorrente da luta antimanicomial. O resto é ignorância, provincianismo – no sentido pejorativo dessa palavra – e preconceitos!

  7. Lívio Oliveira 30 de outubro de 2011 11:49

    A realidade é que (ainda) pesa em minhas estantes.

  8. Marcos Silva 30 de outubro de 2011 11:03

    Sim, é uma ficção. O problema é que, depois que foi inventada, virou realidade, não tem retorno. Precisamos falar disso.

  9. Jarbas Martins 30 de outubro de 2011 10:43

    Por que quando estudam a poesia de doentes mentais, como João Lins Caldas e José Bezerra Gomes, não dão ênfase a esse aspecto ? Me explica Nicolelis !!!

  10. Alex de Souza 30 de outubro de 2011 10:34

    A literatura do RN é uma ficção.

  11. Jarbas Martins 30 de outubro de 2011 10:31

    Eu sei, amigão Lívio: a Literatura do Rio Grande do Norte é uma ficcção criada por Cascudo !

  12. Jarbas Martins 30 de outubro de 2011 10:25

    vá em frente, amigo Thiago.é imprescindível a leitura de autores que lhe precederam. cito aqui, alguns deles: Luís da Câmara Cascudo, Manoel Onofre Jr. e Tarcísio Gurgel. estes criaram um cânone potiguar, baseado na tradição.outros, estudiosos igualmente importantes como Marcos Silva (que escreve neste valoroso Substantivo Plural) e Moacy Cirne – deram ênfase, não somente à tradição,mas também aos movimentos de ruptura na história da nossa literatura.

  13. Jóis Alberto 29 de outubro de 2011 22:27

    Tácito, gostei do espaço que você abriu para Thiago Gonzaga, jovem que não conheço pessoalmente e somente de sexta-feira passada para cá, passei a conhecer no facebook, quando ele me pediu para adicioná-lo e enviou comentário informando sobre a divulgação da literatura potiguar em blog criado por ele. Visitei o blog e gostei. Preciso voltar lá, quando tiver tempo, para avaliar com mais cuidado. Mas inicialmente acho louvável o trabalho do jovem Thiago, especialmente quando muito jovens das novas gerações, excetuando-se os ‘jovens escribas’, que não são mais nem tão jovens assim, enfim, quando muitos jovens de Natal, quando se fala de arte e cultura, muitas vezes estão mais interessados em axé music e Carnatal, etc… É elogiável, portanto, um jovem não só se interessar por uma arte de menor consumo de massa, como a literatura, mas principalmente criar blog para divulgar escritores locais.

    Transcrevo, aqui, com a sua permissão, e autorização de Thiago, parte do diálogo que tive com ele no facebook:

    Ontem Thiago Gonzaga – amigao,me add sou seu fã, fiz ate um espaço para homenagear voces,Viva a nossa literatura .
    http://101livrosdorn.blogspot.com/
    ..
    há 23 horas Thiago Gonzaga – obg por me add amigo, tenho seu livro Revoredo, e estou fazendo um trabalho sobre ele, gosto muito,esse espaço tbm é seu, em breve vou por uma resenha dele no blog
    ..
    há 23 horas – Jóis Alberto –
    Valeu, Thiago! Agradeço sua leitura do meu livro. Bacana seu trabalho no blog que divulga escritores locais. Você é escritor? Ou editor?
    ..
    há 22 horas – Thiago Gonzaga – Amigao, sou pesquisador e critico literario, e vou me dedicar daqui pra frente apenas em divulgar as obras e autores do RN, unicamente por amor . e vc tem cadeira cativa nesse espaço.
    ..
    há 10 horas – Jóis Alberto –
    Obrigado, Thiago! Sucesso no seu trabalho de pesquisador e crítico literário. É bem possível que você já conheça o site ‘Substantivo Plural’, de Tácito Costa, não? Lá, você pode ler textos e comentários de vários autores locais – e também muitas vaidades e rivalidades que por vezes rolam por lá, como costuma ocorrer nos meios literários. Fique atento com isso, em especial, como crítico literário, se você for apontar defeitos em autores locais ou de qualquer outro lugar. No caso do meu trabalho, se você apontar algum erro ou defeito, e se eu constatar que não é por má fé, eu até agradeço! Então, se você me permite, aconselho a você criticar sempre com muita moderação, imparcialidade, para não perder credibilidade, etc… Acho que você está começando bem, pelo que li rapidamente no seu blog.
    ..
    há 10 horas – Thiago Gonzaga – Nossa amigao, muito obg pelas dicas, muito importante pra mim que to começando. valeu mesmo. sim estou sendo cauteloso com tudo que coloco, e aos poucos estou conhecendo pessoas como vc que estao me dando dicas importantes .
    ..
    há 10 horas – Jóis Alberto –
    Valeu, então!
    ..
    há 10 horas – Thiago Gonzaga – esse blog foi feito unicamente por amor amigão, esse espaço eu fiz para divulgar e homenagear todos os nossos autores e obras, portanto pretendo sempre fazer uma apresentação da melhor forma possível para a nova geração de estudantes e leitores do RN conhecer vcs .
    Estou terminado de ler seu livro para fazer uma homenagem a vc essa semana ainda, e te aviso pra vc dar uma olhada pra ver se gostou. ok
    ..
    há 10 horas – Jóis Alberto –
    Obrigado! Aguardarei.
    (…)

    É isso, Tácito!

  14. Lívio Oliveira 29 de outubro de 2011 20:33

    Na literatura do RN há mais ficção que poesia. Poucos sabem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo