Literatura – Menos mesas, mais qualidade

JORNAL DO COMMERCIO

Homenageando Fernando Monteiro e César Leal, festival A Letra e a Voz privilegia boa – e enxuta – programação

Schneider Carpeggiani

O festival A Letra e a Voz, da Prefeitura do Recife, inaugura (e muito bem), no próximo dia 16, o calendário de grandes eventos literários de 2009 em Pernambuco. Em seguida, teremos a Bienal do Livro (outubro) e a Fliporto (novembro). Num ano em que a palavra crise foi onipresente no agendamento cultural, o evento seguiu pela contramão e teve uma injeção de recursos – R$ 300 mil contra R$ 250 mil para a edição passada.

Para a edição 2009, a produção do A Letra e a Voz compreendeu a válida lição de que menos é mais. Ou seja: menos mesas, menos gente debatendo e uma maior preocupação com o que está sendo dito. Um bom exemplo disso é a ideia de colocar um grande autor para conversar com o público, diariamente, apenas com um mediador. Nessa seleção, convidados que estão em destaque na literatura brasileira feita hoje – e o melhor: por razões diversas.

Foram convidados o premiado Cristovão Tezza, best-seller inesperado com o sucesso de O filho eterno, a escritora gaúcha Martha Medeiros, que teve o seu romance O divã transformado num dos maiores sucessos do cinema nacional (por conseguir subverter o drama nosso de classe média de todos os dias), e Nuno Ramos, nome de ponta da arte contemporânea que tem chamado atenção por sua capacidade em colocar pelo avesso os formatos literários. “É um festival preocupado em falar do que está acontecendo hoje. Podemos até fazer uma mesa sobre o cordel, mas a partir de um ponto de vista atual”, destaca a coordenadora do A Letra e a Voz, Heloísa Arcoverde.

Esse olhar para o hoje levou a produção do festival a bolar o seminário O livro desmaterializado, com uma série de debates na Livraria Cultura. A ideia é pensar no futuro (e na relevância) do livro como objeto, com a participação de gente que está na linha de frente desse debate, como Heloísa Buarque de Holanda (Portal Literal) e Elaine Ramos (Cosac Naify).

HOMENAGEADOS

O festival A Letra e a Voz promove, nesta edição, um resgate: para homenagear os 60 anos de Fernando Monteiro, a produção resolveu lançar o longo poema em verso livre Vi uma foto de Anna Akhmátova, seu primeiro título de poesia após mais de duas décadas lançando algumas das melhores ficções da literatura brasileira.

“Talvez eu nunca tenha abandonado a atual ‘prima pobre’ das estantes, quando é a poesia, na verdade, a mais vital das expressões literárias. Alguns dos meus romances, reparem, contêm poemas que eu atribuí a personagens como Alberto Childe (de A múmia do rosto dourado do Rio de Janeiro) ou ao Inglês do cemitério dos ingleses do romance publicado em capítulos mensais pelo jornal curitibano Rascunho, há dois anos. Em 2008, a Bagaço lançou o poema em prosa – destinado ao público infanto-juvenil – no qual homenageei um amigo, um hamster chamado José Aparício Dornelles Paraíso”, apontou Monteiro.

“Seja como for, Vi uma foto de Anna Akhmátova, mais do que algum eventual retorno à forma do poema longo, tem algo de cosmovisão na qual venho trabalhando desde 2006. O poema é realmente extenso, e trata de Anna, do Brasil, do mundo e da dor de existir num planeta em que se assassinam crianças numa escola, entre plátanos nacarados e debaixo do céu que não nos protege. Num poema longo, é talvez possível expressar uma ‘visão do mundo’ possivelmente de modo mais completo do que na prosa. Desse poema em verso livre, eu fui li algumas partes, justo no dia 11 de setembro passado, no Quintana Café & Restaurante, em Curitiba. A reação foi tão boa, lá, que me animei a apresentar o poema inteiro à Heloísa Arcoverde, que vem sendo, na Fundação de Cultural municipal, ardente defensora da poesia e da literatura pernambucanas”, continuou.

O outro homenageado é o crítico literário e poeta César Leal. A sessão de abertura oficial do A Letra e a Voz acontece dia 16, no Teatro de Santa Isabel, com concerto da Orquestra Sinfônica do Recife e recital poético. No dia 23, para o encerramento, a Praça do Arsenal recebe a Festa do Livro, com 60 bancas destinadas a livros, jornais, revistas e programação especial.

» O festival conta a partir desta semana com o site www.aletraeavoz.com.br e o www.twitter.com/aletraeavoz

ao topo