Live and let die

Confesso, entristecido e frustrado, que morri de inveja daqueles que puderam viver o momento ímpar, insuperável do(s) show(s) de Paul MacCartney no Brasil. Alguns amigos meus foram e voltaram deslumbrados.

Eu pensei mesmo em fazer uma loucura e ir bater lá no meio daquela multidão do Morumbi. Mas, infelizmente, não deu. Muito trabalho. Muito trabalho…Nem a Pipa pude ir.

Mas, como Paul não parece estar envelhecendo (um Dorian Gray e seu espelho em nosso tempo), talvez eu ainda possa realizar esse sonho um dia.

Um alento: agora temos em Natal um teatro. Um novo, bom e grande teatro.

O nosso querido TAM não comportava condições para grandes shows e eventos. Apesar de seu charme, é um teatro pequeno. Mas, não deixará de ter importância. Eu o adoro, inclusive como bela peça arquitetônica. Além disso, gosto de ver aquele morcego sobrevoando e (às vezes) assustando os músicos e atores que lá se apresentam.

Estarei e estaremos todos atentos à programação do novíssimo teatro. “Mistérios” e bons espetáculos “há de pintar por aí”…

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

ao topo