A longa estrada de um Fim de Semana

A solidão também tem suas serventias e matizes. Tem aquela que a gente sente no meio da multidão. A solidão de uma vida de casado. A solidão povoada. Somos pássaros presos a querer cantar sempre atordoado.

A solidão mineral, penso, é a que vivi durante boa parte da vida. Sempre me vejo só. Sempre estive só. Uma solidão como de uma sexta-feira quando esperava um amigo no bar. Tinha combinado com ele e ele não apareceu. A solidão mineral ficou tendo a cor daquela sexta- feira. Toda solidão é solidão. Mas a solidão da sexta feira é maior. Aquela que você sabe que ( não ) vai encontrar no final de semana. Sem trabalho e sem a rotina dos dias úteis.

Algumas pessoas procuram a solidão. Dizem que ela é necessária para se encontrar com ela mesma. Para criar. Para compreender a vida. Talvez seja essa solidão que o poeta procura. As almas gêmeas talvez um dia se encontrem, mas é o corpo que goza, que ama e sucumbe ao desejo.

Tento esquecer o mal que me aferroa. Mas, para quê? Para onde vou se logo ela chega urtigando. Às vezes dou-me olhando para nada. Dando gargalhada do passado como cantou Cartola. Para minha introspecção. Não pense que é fácil escrever sobre essa desacomodação que sinto. A vida é pra amar-se, sabemos. Ate quando negamos. A sensibilidade e o conhecimento nos torna mais infeliz. Tudo parece Dejà Vu. De vivo mesmo só a barata que matei a pouco e a lagartixa que entra na minha cozinha.

Ninguém sabe de ninguém. Da minha vida indisciplinada e louca sem peso. E tudo aos meus olhos se torna corriqueiro e superficial …

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. João da Mata 2 de março de 2015 10:49

    Estou muito grato a você Maria Bacci pela leitura e apreciação correta do texto. Um forte abraço.

  2. Maria Aparecida Anunciata Bacci 1 de março de 2015 20:47

    Belíssimo texto, a solidão,como o autor coloca é aquela que alguns, não sei se todos nascem com ela,como companheira de uma vida inteira,e sem ela não seriamos nada,acredito que ela apesar de nos desacomodar,criar desconforto,é fatalmente nossa companheira nossa amante,nosso ponto de reflexão.Parabéns mais uma vez escreveu bela, verdadeiramente sobre a amiga de muitas criações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo