Luís Carlos Guimarães, o proscrito

Por Jarbas Martins

Entre os inúmeros desserviços prestados pela atual admnistração do mau poeta, que é o Senhor Crispiniano Neto, à frente da Fundação José Augusto, uma reputo, particularmente, como de maior gravidade: o desrespeito à memória do poeta Luís Carlos Guimarães. Este sim, um poeta,um dos poucos nomes que ficarão na História da Literatura Norte-rio-grandense.E como o nome de poeta não lhe bastasse, acrescente-se ao currais-novense o nome de tradutor (Nelson Patriota e Marcos Silva, dois dos nossos mais importantes tradutores, assim o reconhecem). Com devoção e competência, através do ensaísmo crítico, Luís Carlos revelou nomes que vão desde os poetas da Geração dos Anos Sessenta às gerações mais recentes. Sua aguçada e honesta visão crítica fez com que ressuscitasse, num gesto de grandeza, o nome do seu conterrâneo José Bezerra Gomes, que andava esquecido, vitimado pelo preconceito (JBG era um doente mental). Esse gesto de grandez a, por parte de Luís Carlos, já não seria bastante ? Mas o mau poeta, que é o senhor Crispiniano Neto, entende que não, e lança ao ostracismo o nome desse grande currais-novense. Qual o feito de maior repercussão do poeta Crispiniano Neto ? Extinguir, de forma sorrateira, o Prêmio Luís Carlos Guimarães.Qual a razão do Prêmio não ter sido mais realizado ? O presidente da FJA deve-nos uma explicação. Por uma ironia do destino, Luís Carlos que tirou do esquecimento nomes como José Bezerra Gomes, que estendeu a sua nobre mão aos jovens poetas irrevelados do Rio Grande do Norte, seria contemplado pelo presidente da FJA, o mau poeta Crispiniano Neto, com o desprezo.

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. Gustavo de Castro 10 de julho de 2010 20:17

    Jarbas, também somo à sua crítica muito oportuna pela lembrança. O prêmio LCG foi muito importante na minha formação de poeta, jamais esquecerei a emoção de ir ao RN somente para recebê-lo. Abraço.

  2. João da Mata 10 de julho de 2010 12:52

    Amigo Jarbas,
    tudo isso é muito lamentável.

    O preço na realização desses concursos é mínimo. Falta, meu amigo, CULTURA.

    Lula querido, de Pois é Poesia, quanta gente boa revelou. Iracema, Carmem, Adriano, etc

    Creio, meu amigo, que ninguém consegue esconder a Poesia . A política desse estado é o seu maior algoz.

    Um forte Abraço

  3. joão batista 10 de julho de 2010 10:36

    Perfeito, Jarbas. Assino embaixo, é isso mesmo. João Batista

  4. Marcos Silva 10 de julho de 2010 10:33

    Jarbas:

    É mais que lamentável o descaso em relação ao Prêmio Luís Carlos Guimarães, precisamos batalhar para que ele seja reativado.
    Aproveito para perguntar se vc recebeu o e.mail que lhe enviei (consulta sobre projeto de edição).
    Abraços:

    Marcos Silva

  5. Tácito Costa 10 de julho de 2010 10:19

    Jarbas, participei da concepção e coordenei por cinco ou seis edições, o Prêmio LCG, que revelou ou tornou mais conhecidos alguns poetas potiguares. Cito, de cabeça, Alexandre Abrantes, Lívio Oliveira, Jeanne Araújo, Iara Carvalho, Paulo Benz, Antoniel Campos, Kaliane Sibelli, Roberto Assunção… A lista é grande. Fazia esse trabalho com o maior entusiasmo. Com o tempo ganhou uma importância que me surpreendeu, mexia com a poesia de todo o estado, era um dos poucos projetos da FJA realimente municipalizados. Além disso, fui amigo de Lula, como é do conhecimento de todos. É muito triste constatar a descontinuidade desses projetos, alguns baratíssimos de se colocar em prática, como o prêmio LCG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo