Luisa em busca de novas alquimias sonoras; confira os dois novos videoclipes da banda

Uma panaceia de beats, dubs e idiomas encontram unidade sonora na voz desenvolta de Luisa e nos arranjos dos seus alquimistas. O espirito circense da vocalista, compositora e idealizadora do grupo produz letras de alma livre; uma alma que dança fogosa entre grooves e reggaes. O primeiro álbum Cobra Coral, lançado no último 6 de janeiro, tem espalhado encantamento em outras capitais nordestinas desde o ano passado. Um som cosmopolita não só pelas pinceladas de língua inglesa e espanhola entre as composições, mas pela alquimia desapegada ao regionalismo, pela aura nômade espalhada em cada frase, em cada som.

E mesmo com este espírito circense ciente de que não existe lar, mas um mundo à sua espera, foi a montanha quem veio até Luisa & os Alquimistas. Mesmo com o trabalho ainda quentinho e antes mesmo de propagarem as nove faixas do disco para além das muralhas deste elefante, convites bateram à porta do grupo e os palcos de Recife, João Pessoa e Campina Grande já se abriram, além de shows em Fortaleza. E planos para descer ao Sudeste estão na mira. O ano de 2016 ainda será coral, mas a criatividade nunca se rende, embora careça de uma folga merecida a uma multiartista.

Luisa é por si só uma alquimista das artes: cantora, compositora, produtora, artista do grupo circense Tropa Trupe e ainda professora de tecido acrobático. Não à toa descansa corpo e mente agora entre as serras do Vale do Capão, em plena Chapada Diamantina, na Bahia. Partiu de uma lan house com péssima conexão uma conversa rápida com este blogueiro ainda desatualizado com o trabalho do grupo. Luisa adiantou o desejo de novas parcerias para futuras composições, algumas já “pré-fabricadas”, com letras escritas à espera de melodias e arranjos.

E se Cobra Coral já esboça uma miscelânea de ritmos, os próximos trabalhos podem vir acrescentados de influências cubanas, lo fi (estilo de produção musical que usa técnicas de gravação de baixa fidelidade) e timbres dos anos 80 – a década imortal! (rs). Tudo mesclado à alquimia sonora de Gabriel Souto, Zé Caxangá (Fábio Rocha), Pedras Leão e Renan Amantéa. Abaixo, segue dois videoclipes tirados do Cobra Coral e lançados esta semana pelo projeto Som Sem Plugs, com patrocínio da Cosern via Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura, do Governo do Estado. E depois, o álbum completo para você ouvir faixa a faixa.

GITANA

CAMALEÃO

ÁLBUM COBRA CORAL

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =

ao topo