Lula na FLIP 2011

Amigos e amigas:

A FSP de 7.8 divulgou uma boutade que circula na FLIP atual: convidarem Lula para falar sobre Sérgio Buarque de Hollanda na FLIP 2011.
É claro que a piada procura sublinhar o contraste entre o acadêmico FHC falando sobre Gilberto Freyre na FLIP 2010 e o presidente Silva (não-) falando sobre Sérgio, na FLIP seguinte. Considero, todavia, a irônica proposta involuntariamente pertinente: Sérgio foi um dos fundadores do PT; e escrevia muito bem, pode incentivar Lula a ler mais; e aparentemente teve relações pessoais com Lula – Dona Maria Amélia, viúva do historiador, gostava pessoalmente do presidente Silva, que a visitou no centésimo aniversário, conforme noticiado na Imprensa.
Alguns pensarão: Lula deve ler pouco e escrever menos. É verdade. Mas isso não é problema: basta convocar uma equipe de pesquisa, que fiche os livros de Sérgio, converse com Lula, sugira linhas de discussão. Depois, Silva gravaria uns comentários, um ghost-writer reveria tudo e ele assinaria. Como se sabe, muitos acadêmicos poliglotas que falam na FLIP procedem assim. Da mesma forma agem outros que publicam em grandes editoras.
Por falar nisso: A Cia. das Letras publicaria a fala de Lula?
Lembro que o presidente Silva, falando sobre Sérgio, daria um ar mais republicano à FLIP que, hoje, está cheia de príncipes – Orleans e Bragança, Cardoso. Se houver maracatus e congadas em Paraty, Lula poderia ser republicanamente saudado por reis desse universo.
Abraços para todos e todas:

Comments

There are 12 comments for this article
  1. Luis Sávio Dantas 7 de Agosto de 2010 18:08

    E uma coisa que devemos anotar é, quando LULA saiu da casa da Sra. Maria Amélia nessa visita, os jornalistas perguntaram-lhe, o que LULA tinha ido aprender com ela, no que respondeu: Ninguém ensina nada a LULA não, ele sabe tudo

  2. Marcos Silva 7 de Agosto de 2010 19:53

    Luís:

    Boa hora pra ele mudar de idéia, não é?
    Abraços:

  3. Alex de Souza 8 de Agosto de 2010 9:47

    Marcos: mais certeiro que baladeira.

  4. Chico Moreira Guedes 8 de Agosto de 2010 11:04

    Na mosca, Marcão! Idem sobre seu comentário a respeito de sabedoria popular a a das elites no site de Jairo Lima, que só tive oportunidade de ler ontem.

  5. Almir Moreira 9 de Agosto de 2010 15:45

    Esse chiste “correu” durante toda a FLIP 2010.
    Ria-se à larga, pois seria mais uma norma a ser desrespeitada pelo nosso “Grande Guia”.
    A malfadada Reforma Ortográfica será obrigatória apenas em 2012, mas o Sr. Silva cuidaria de avacalhá-la antes disso.
    Que os deuses da Literatura e das Letras perdoem o infeliz que teve essa idéia …
    Ainda bem que é gozação. Mas vai que o sujeito lá de Brasília gosta da idéia?!

    Por outro lado, agora falando sério, seria uma oportunidade para o Presidente Lula rever seus conceitos sobre livros, pois burro ele não é, e é claro que sabe que sem livros não se fazem grandes homens, e sem esses não se pode esperar um grande país. Há exceções, mas são raríssimas, e via de regra inconsistentes.
    Paraty, afinal, é um espaço amplamente democrático, e mesmo durante a Flip, evento essencialmente literário, impera um ambiente aberto a toda diversidade de formação e de opinião. E de manifestação também.

    Que Deus nos proteja em 2011!!

    (a propósito: acentuei idéia, intencionalmente)

  6. Marcos Silva 9 de Agosto de 2010 17:22

    Almir:

    Nunca fui às FLIPs. São democráticas mesmo? De longe, via noticiário da Imprensa, tenho impressão diferente: monarquismo, deslumbramento de socialite, estrelato dos donos de grandes editoras etc. Tomara que eu esteja errado mas o noticiário fala pouco de… Literatura.
    Abraços:

  7. Fernando Bittencourt 10 de Agosto de 2010 13:02

    Olá, sou morador de Paraty e frequento a Flip desde sempre. É uma grande festa, não é elitista, pelo contrário. A Casa Azul (Oscip que organiza o evento) esforça-se para manter atividades o ano inteiro, principalmente aquelas voltadas às crianças. O ranço elitista deve-se a alguns frequentadores e, claro, ao filtro da mídia deslumbrada com FHCs e quejandos. Essa piadinha (medíocre, como sempre) circulou sim por aí, mas ela apenas revela o preconceito de uma parte da sociedade brasileira, parte essa pequena e irrelevante como o pseudo intelectual e ex-político que veio aqui representa-la. Essa massa cheirosa está mesmo é preocupada com o fim de seu protagonismo. Fazem piadas, mas também não lêem, apenas aparecem na Flip pela badalação.

  8. edilene Barros 13 de Setembro de 2010 12:01

    Lula pode não ser um acadêmico, mas é um homem inteligentíssimo e com grande capacidade de formulação e convencimento. Imagine se tivesse tido a oportunidade que muitos pseudos intelectuais tiveram.
    Pode se gostar ou não de LULA, cada um com sua ideologia e opinião pessoal, mas é inegável do ponto de vista histórico que é o maior lider carismático que este pais já viu. Em um tempo em que são raros os lideres carismáticos, acho difícil que ainda surja outro com o mesmo potencial.

  9. Luana 20 de Outubro de 2010 16:17

    Eu, ainda perplexa por tudo que li nessa página, tendo aqui esbarrado por estar pesquisando se já havia alguma data prevista para a FLIP/2011, e ainda estarrecida, deparo-me, finalmente, com as expressões do pensar de Fernando Bittencourt e Edilene Barros, que alívio!

  10. Ana Laura 15 de Novembro de 2010 11:44

    Eu, assim como Luana, já ansiava por notícias sobre a FLIP 2011 e tb acabei aqui. Concordo com ela e, especialmente, com Fernando Bittencourt. Vou a FLIP desde sempre (fui a todas) e levo minha filha, hj com 6 aninhos, sempre. Alugamos casa, já que as pousadas do centro histórico de Paraty durante a FLIP , em regra, não estão abertas a crianças, embora existam as que aceitem animais. Passamos sempre cerca de 10 dias (chegamos antes para imersão total na vida em comunidade) nessa grande festa: nada elitista, muito democrática e que determina nossa agenda, muito antes de começar. Minha filha vibra com as performances teatrais das crianças, com o encontro com os autores e com a praça cheia de bonecos e pés de livros. Com as oficinas. E agora, com a Flipzona, maravilhosa. Eu amo tudo: a cidade,a praia, os botecos, restaurantes, o povo, o carioquês, o feijão preto, as crianças na praça, a tenda dos autores, a Flipinha, a Flipzona, a Casa de Cultura. E a literatura, sim. Sobretudo. Quem nunca foi nem imagina o que está perdendo!

  11. leyde gomes 11 de Janeiro de 2011 16:21

    Flip 2011 nosso sonho. Meu e de minhas filhas.Mora na Bahia e este ano pretendo estar presente.Estou pesquisando como chegar e como ficar em Paraty.Se alguém quiser me ajudar (dicas)-leydegomes@hotmail.com.Quanto ao LULA,só vai ficar melhor.

  12. Raquel Grazzinoli 22 de Janeiro de 2011 20:00

    Assim como edilene, fernando, ana laura e luana fiquei estarrecida ao procurar notícias da flip 2011 e me deparar com tais comentários, eu q optei por este end pq falava de cultura, ideias e informação. Sou educadora e há muito sonho em levar meus filhos a este evento… Pena que a pseudo elite intelectual ainda encontre eco entre as pessoas! Procuro informações sobre locais para ficar, restaurantes, tb peço ajuda e orientações. Desde já agradeço e aguardo, qxgrazzinoli@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP