A luta de classes nas manchetes

Por Luciano Matins Costa 
Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 9/4/2015
OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

Os diários de circulação nacional trazem como manchete, nas edições de quinta-feira (9/4), a aprovação, pela Câmara dos Deputados, do texto-base de um projeto que amplia as possibilidades de terceirização de contratos de trabalho. A proposta ainda pode ser alterada por emendas, que serão votadas na próxima semana, mas a leitura do que é exposto nas primeiras páginas induz o cidadão que passa apressadamente em frente às bancas e quiosques a aceitar que houve uma ruptura do sistema de proteção do trabalhador.

Comentários apressados dos especialistas em generalidades que dão palpites sobre tudo, nos programas noticiosos do rádio e da televisão, devem contribuir para aumentar a confusão. Os relatos dos três principais diários se diferenciam sutilmente, e cabe ao Globo a dose maior de manipulação: “Terceirização é aprovada na Câmara, mas racha governo” – diz a manchete do jornal carioca. Trata-se de uma ênfase maliciosa, considerando-se que toda votação de matéria polêmica produz certo grau de descontentamento em algumas das muitas tendências em que se divide a base aliada do Executivo.

Desde a inauguração da República, o Parlamento protagoniza eventos em que oposição e situação se fragmentam, e muitos projetos são rejeitados ou aprovados com uma miscelânea em que desaparece a lógica da orientação partidária. Esse fenômeno ocorre com mais frequência em períodos de ajustes de modelos econômicos ou institucionais, como em início de mandato ou, no caso atual, no meio de disputas como a que opõe os presidentes da Câmara e do Senado à presidente da República.

Interessante observar que, nos temas mais complexos, as chamadas forças progressistas aprofundam suas divergências internas, justamente porque seus integrantes são mais afeitos à reflexão e ao detalhamento das questões. As forças conservadoras e reacionárias, ao contrário, tendem a se alinhar mesmo em questões complexas, porque não costumam contemplar as sutilezas dos temas fundamentais para a sociedade. Para esses, tudo é branco ou preto, e o que vale é garantir a reeleição.

Acontece que o sistema eleitoral é um jogo cínico: se tal deputado foi eleito com doações de grandes empresas, ele vai votar tranquilamente pela desconstrução de direitos trabalhistas, porque não é o assalariado que garante seu mandato: o assalariado entra como massa de manobra em campanhas financiadas pelo dinheiro do capital. Sintomaticamente, antes e durante a votação do projeto, lobistas do empresariado circularam tranquilamente nos gabinetes do Congresso, enquanto sindicalistas eram espancados no lado de fora.

Preço alto

A Folha de S. Paulo aborda a questão dos interesses por trás da proposta, em artigo na página 2, no qual o autor observa que o conflito entre capital e trabalho transparece no projeto da terceirização votado pela Câmara. Interessante a observação, porque a Folha é o jornal que mais se empenhou, nas últimas décadas, em convencer o leitor de que a questão da luta de classes estava superada. O jornal paulista foi o arauto da tal “pós-modernidade” e entusiasta de mitos como o do “fim da História”.

A maior parte dos colaboradores que tem sido convidada pela Folha para suas páginas de opinião tem um perfil escancaradamente conservador ou engrossa as fileiras dos intelectuais que ostentam uma fachada de teoria crítica “higienizada” das contradições viscerais do capitalismo. Agora, pode-se concluir que essa fachada foi instrumento para alimentar uma crise política e, sob essa cortina de fumaça, promover a quebra de direitos dos trabalhadores.

Ressalte-se que a votação da Câmara não é definitiva, e um pacote de emendas pode alterar esse quadro – a depender, é claro, da mobilização das entidades sindicais. Mas deve-se considerar que um grande número de parlamentares segue a orientação dos presidentes da Câmara e do Senado no enfrentamento da presidente da República. Suas motivações não têm muito a ver com a agenda do Congresso. A seção “Bastidores” do Estado de S. Paulo explicita: “A estratégia de Cunha e Renan é desviar o foco da Operação Lava Jato e criar uma agenda própria”.

No caso de Renan Calheiros, que já superou escândalos maiúsculos, trata-se de sobreviver a mais um deles. No caso de Eduardo Cunha, segundo a imprensa, trata-se de manter a Polícia Federal longe de seu gabinete. Para seus propósitos vale tudo, desde retroceder a legislação trabalhista, liberar a venda de armas, desfazer o Estatuto da Criança e do Adolescente, mandar o Brasil para a retaguarda na questão dos direitos humanos.

O preço desses dois interesses específicos pode ser algumas conquistas que custaram décadas de luta da sociedade brasileira?

Pelo que se lê nos jornais, a imprensa considera que sim.

Comments

There is 1 comment for this article
  1. Luis Sávio Dantas 12 de Abril de 2015 13:34

    A roda grande dentro da pequena, essa afirmação de Hermes Trimegistos na filosofia hermética, pode ser aplicada na politica em geral, quando se tem o mínimo de informação do que está acontecendo no mundo, e quando sabemos minimamente que há uma agenda que os donos do mundo possuem na sua tentativa de escravizar a humanidade. Hoje dia 12 de abril de 2015, estava previsto que vários países: Holanda, Brasil, Geórgia, Finlândia e Dinamarca, assinariam suas adesões a o Banco criado pela China que vai competir com o FMI e o Banco Mundial, que são os principais mecanismos de espoliação e empobrecimento das nações. Então podemos entender por que foi marcado para hoje um protesto que pede o afastamento da nossa presidenta eleita. Devemos todos empunhar a bandeira Brasileira e usarmos o verde e amarelo, e gritarmos a plenos pulmões. Fora golpistas, fora entreguistas, e DILMA É LEGAL, vocês não defendem honestidade nem moralidade, vocês defendem um Brasil pequeno e escravo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP