Macumba na Funcarte

O NOVO JORNAL publicou reportagem (“O Vodu das Fundações”) ontem sobre a crise nas fundações José Augusto e Capitania das Artes. Eu fui um dos entrevistados. Os presidentes das duas instituições também. Tiveram um bom espaço para falar o que quisessem. Aí é que está o perigo. Novamente, o presidente da Funcarte, Rodrigues Neto, meteu os pés pelas mãos. Sobre as críticas que vem recebendo afirmou: “estou cagando e andando pras coisas que dizem sobre mim”.

Aproveitou a oportunidade para acrescentar que a macumba será alvo de sua política cultural e lembrar que “os eventos elitistas” não terão vez na sua gestão. Por elitistas, entendi a revista Brouhaha, o Encontro de Escritores, a publicação de livros e os prêmios de prosa Câmara Cascudo e de poesia Othoniel Menezes, entre outros projetos abandonados pela atual administração.

Certamente que o merecido apoio à macumba tem sua lógica. Embora tenha parecido-me interesseiro, sem dúvida. Mas será que ela conseguirá resolver o problema das duas fundações? Rodrigues parece acreditar que sim.

Go to TOP