Mais pontos nos “is”

Pablo,

Não foi a minha intenção ser injusto com você. Se foi essa a impressão que passou ou mesmo tenha sido publicado em algum dos meus posts palavras que levem a isso peço desculpas. Tenho por você uma grande admiração pessoal e intelectual e todos sabem aqui em Natal como você é preparado intelectualmente, não iria cometer a sandice de descredenciá-lo ou colocar em dúvida isso.

Meu incômodo, volto a dizer, não foi tanto com relação ao tema em si, que poderia ser tratado puxando um pouco a sardinha para a literatura. Mas discorrer sobre culpa, relações filiais, amor romântico, sexo, enfim, um balaio pra psicanalista nenhum botar defeito, daquela forma, é que achei complicado.

Mas, reitero, mesmo assim, ainda se podia ter dado um viés literário a coisa e não foi por sua culpa que isso não ocorreu, percebi o seu esforço e constrangimento inúteis, em tentar estabelecer um debate mais consistente.

ao topo