“Mantemos um desejo emocional comunista”

NO ESTADÃO

Para Alain de Botton, ser bem tratado é a vontade de todos. O escritor concedeu entrevista em Londres.

Alain de Botton recebeu a coluna em seu escritório, num bairro afastado do centro de Londres. Ao lado do prédio onde fica seu recanto de trabalho, está a casa do escritor, construída completamente fora dos padrões londrinos de arquitetura. Envidraçada, janelas vazadas, diferentemente dos prédios baixos, escuros e pesados da capital britânica. O designer? Ele próprio. Apaixonado por arte arquitetônica, viagens e literatura, o filósofo – bestseller mundial – se define como “desbravador”.

Não à toa, aceitou a proposta de ficar no aeroporto de Heathrow registrando sensações, texturas e histórias que resultaram no livro Uma Semana no Aeroporto. E foi com o mesmo entusiasmo e igual curiosidade que o escritor resolveu desbravar o tema das religiões. Em seu próximo lançamento,

Religião para Ateus. Botton – ateu convicto – se debruça sobre a prática da fé, interessado nos aspectos psicológicos e filosóficos que religiões e suas histórias oferecem:

“Não acredito em Deus, energia ou forças maiores.

Meu interesse está nasmotivações humanas que levam indivíduos a acreditarem em Deus”, afirma.

O suíço, que mora na Inglaterra desde os 8 anos, tece ácidas críticas a Richard Dawkins (evolucionista radical) e questiona o crescente sentimento antirreligioso inglês: “É muito mais fácil ser ateu. As pessoas não querem nem pensar sobre isso”.

Além de escrever livros (já tem nove no currículo), Botton, aos 41 anos, mantém uma escola, a School of Life – com planos de abrir, em 2012, filial no Brasil. Chamada por ele de “centro de conhecimento emocional”, o filósofo defende que os relacionamentos humanos são matéria a ser estudada.

O escritor estará no País em novembro, para participar do ciclo de palestras Fronteiras do Pensamento. Falará, dia 21, em Porto Alegre. E na Sala São Paulo no dia seguinte.

Abaixo, os principais trechos da conversa.

Fala-se muito da falta de ideologias no mundo atualmente. Que a juventude está perdida, sem ideais. Concorda com isso?

Acho que não. Claro que já houve épocas em que as ideologias eram mais claras. Se você era um jovem sensível, de esquerda, em 1930 na Inglaterra, eraumcomunista e ponto. Hoje em dia, você lê o The Guardian, é preocupado com o meio ambiente e talvez não haja um rótulo para isso. Você admira alguns capitalistas, mas detesta outros. Gosta do Steve Jobs, mas fica assustado com a tecnologia. É mais confuso mesmo. Mas isso não é necessariamente ruim. Na verdade, é um lugar bom, esse. Porque você está em uma posição de questionamento.

Mas o que vimos nos últimos meses no mundo árabe com a sua “primavera” não é reflexo de uma força ideológica?

A democracia é o melhor sistema para os seres humanos. Mas talvez ainda demore cerca de 50 anos até que eles cheguem lá. Ainda está muito instável. Há que ser muito otimista para achar que já está dando certo. Se olharmos para a Revolução Francesa, em 1789, demorou até pelo menos 1815 para as coisas se sedimentarem. Talvez daqui meio século possamos dizer que a “primavera” deu certo. Vamos esperar para ver.

Os tumultos de agosto, envolvendo jovens no norte de Londres, geraram grande polêmica. Quais foram, na sua opinião, as motivações daqueles protestos?

Acho deprimente. Não creio que seja dinheiro o problema. Existe um caráter financeiro, mas acho que o que falta a esses meninos é senso de pertencimento, de significado. E o governo não tem como apertar um botão, produzir e inserir essas coisas na sociedade. São fatores culturais muito profundos, que nascem e crescem nos relacionamentos.

Você já apontou, em palestras, que um dos problemas atuais das sociedades é uma base na meritocracia. Pode explicar?

Meritocracia é uma ideia muito valorizada na política. Tratase de um conceito em que todos chegam aonde merecem. As conquistas são por mérito. Se você for inteligente, cheio de energia e uma boa pessoa, chegará ao topo, ao máximo. Mas se for preguiçoso e burro, não sairá do lugar. Essa é a ideia moderna de política. E, convenhamos, é maluca. Lógico, você deve batalhar por aquilo que deseja, mas achar que basta soltar todos em uma corrida e que o primeiro que chegar leva o prêmio é, acima de tudo, muito injusto.

Por que injusto? Porque não mandamos em tudo. Por exemplo, a aparência física de uma pessoa é totalmente fora de seu poder. E, no entanto, muitas coisas na vida dependem da nossa aparência. O nível de inteligência, saúde, e outros aspectos também. A ideia de que, se você for bom, chegará ao topo, é muito rasa. Quando falo em meritocracia, alerto para atitudes recorrentes em grandes empresas. Onde as pessoas, em nome dessa ideia, tornamse cruéis.O indivíduo não é responsável por tudo e também não é isento de escolhas. Existem nuances nesse processo.

Você também afirma que as relações humanas se desgastam muito quando entra o contato com o consumismo. Acredita que estão falidas?

Não. Contudo, quando você sai da esfera dos relacionamentos pessoais e entra nas relações capitalistas, sempre existe o dinheiro e pressões na equação. Todos sabemos como operar nesse campo. Mesmo assim, é muito ofensivo emocionalmente. Na verdade, mantemos um desejo emocional comunista. De ser bem tratado. Apesar do sistema comunista ter falhado economicamente, emocionalmente ainda é o que queremos.

Você é ateu, mas explora, em seu novo livro, o valor das religiões. Por que esse tema?

Atualmente, muitos não acreditam em Deus e, por isso, não têm nenhum envolvimento com religiões. Como ateu, olho para as manifestações religiosas e penso: o que podemos extrair delas? Os rituais, atitudes de comunidade. As respostas que elas oferecem. Acho isso muito interessante.

Sente que existe um senso antirreligioso forte?

Especialmente aqui na Inglaterra. Pessoas como Richard Dawkins, que atacam violentamente as religiões. Penso que devemos deixar os religiosos em paz. E analisar, psicologicamente, seus valores. Que necessidades humanas que levam um indivíduo a acreditar em Deus? São questões como esta que me interessam. Se você não acredita em Deus, o que acontece com essas necessidades? Com a sensação de conforto, de pertencimento?

Acredita que o ateísmo está na moda? Hoje em dia é mais fácil ser ateu do que ter fé?

Sim. Hoje em dia é mais fácil ser ateu.Achoqueaspessoasnãoqueremnempensar a respeito.

O 11 de Setembro completou dez anos. Acha que esse evento modificou a vida das pessoas?

Detesto a ideia de que eventos grandes mudam a maneira como vivemos. O 11 de Setembro foi provocante, mas não modificou a maneira como amamos e odiamos. Só percebemos que o ser humano pode ser assustadoramente ruim. Se existe algo, nos últimos anos, que podemos dizer que mudou a maneira como o ser humano se relaciona, talvez seja a internet.

Mudou de que maneira?

As máquinas modificaram nossa consciência. Principalmente no que tange ao relacionamento com a ficção. Estamos perdendo a arte da concentração. Por essas máquinas serem tão estimulantes e rápidas, ler um livro tornou-se entediante perto delas e do Facebook, por exemplo. Isso é uma p r e o c u p ação.

Com o que se preocupa?

Saber ficar entediado, quieto, concentrado são qualidades que não podemos perder. Antigamente, as pessoas iam aos monastérios para ficar em silêncio, pensar. E não entendíamos. Mas faz sentido. Precisamos de períodos de quietude. Sem computadores. Me preocupa o ‘spam’ de atenção que essas máquinas causam.

Percebe esse “spam” de atenção nos seus filhos?

Não, porque bani a internet e a televisão da vida dos meus filhos (risos). É horrível, mas não consigo. O máximo que permiti foi um Kindle, e eles já estão animadíssimos (risos).

Por que resolveu fundar uma escola como a School of Life?

Comecei a me perceber muito solitário como escritor. E sempre tive vontade de trocar ideias com colegas. Entendo que alguém sozinho não muda nada. É preciso se reunir. E foi o que fiz com pessoas que estavam escrevendo livros parecidos com os meus e falando coisas que dialogavam comigo.

O que encontrou em comum com seus sócios? Qual a ideia central da School of Life?

Olhamos o mundo essencialmente da mesma maneira. Acreditamos que deve haver uma conexão entre cultura, conhecimento e sabedoria. Para isso, construímos essa organização. É divertido e dá um trabalho imenso.

Por que abrir uma filial da School of Life no Brasil?

Vamos lançar uma série de livros no ano que vem e queremos fazer um ciclo de palestras para testar o apetite. Não só no Brasil, mas em outros quatro países, entre eles Austrália e Turquia. São lugares onde sentimos que há interesse por um “conhecimento emocional”. Povos abertos para esse tipo de experiência. Não há motivo para uma filial na França, por exemplo. Os franceses não estão interessados nisso (risos).

Você escreve em seus livros sobre o quão cruel pode ser o julgamento social que as pessoas fazem umas das outras…

É consentimento psicológico do capitalismo. Em todo centrourbanodomundoháomesmo problema. É uma coisa de status. Precisamos encontrar um tipo de alívio para essa pressão. Seja ter filhos, curtir a natureza, ter fé em alguma religião, arte. Algo para sair desse enorme sistema de julgamento. É preciso ser muito forte para não ouvir essas vozes.

Não tem vontade de voltar a escrever ficção?

Sim. Meu próximo livro de ficção será sobre casamento.

Está estudando o tema?

Claro (risos). É algo complicado. Na School of Life tentamos ensinar as pessoas a serem casadas. Os acadêmicos acham isso ridículo. Entendem aulas sobre geografia, física, literatura, mas não sobre casamento. Defendemos que é uma matéria a ser estudada. E profundamente séria.

O Brasil incluiu a filosofia como matéria obrigatória no ensino médio. O que acha?

Acho que psicologia também seria interessante. Deveríamos aprender como a vida emocional se organiza.

MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo