Maria

cactos

Nasceu Maria…
Depois da Primavera dos “cactos”,
De espinhos feita,
De aroma negado.

Nasceu Maria…
Regada a bálsamo-lágrima.
Nasceu Maria…
No deserto seu.

Maria,
Flor que habitava
O nada.
Nasceu para amar;

Não para ser amada.
Nasceu de uma gota
Perfumada de silêncio
E medo…

Nasceu numa lilás
Primavera…
E espantada
No seu deserto

E fugitivo medo,
Enfeitada de espinhos,
Deu a luz
A uma rubra flor

Que se chamou vida.
Assim nasceu Maria…
Maria, Mar, Amar,
Maria.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo