Matéria de Farias e carta de Cláudia

Briga na Funcarte
Por Fábio Farias (Novo Jornal)

A polêmica envolvendo o adiamento do Encontro Natalense de Escritores, agora batizado de Encontro Lusófono de Escritores (ELE), ganhou mais um episódio ontem. A ex-coordenadora do Núcleo de Documentação da Fundação Capitania das Artes, Cláudia Magalhães – responsável pela realização do evento – divulgou uma carta aberta ontem explicitando os motivos da sua saída do órgão. Além disso, ela acusou a Funcarte de negligenciar o evento, que teria data marcada para o mês de março, além de outras atividades previstas para acontecer neste ano.

Na carta aberta enviada para jornalistas, escritores e artistas potiguares, Cláudia explicou que estava com toda a produção do evento pronta para ser realizada em novembro do ano pas-sado, mas foi surpreendida pela mudança de data. Ela declarou que seu nome foi mantido na coordenação do evento, no entanto, quando o atual presidente Rodrigues Neto assumiu o cargo, seu nome não foi reiterado no cargo. “Não fizeram nenhum tipo de contato comigo. Não divulgaram nada.”, disse.

Ela denunciou, ainda, que a Fundação Capitania das Artes (Funcarte) negligenciou projetos como o Prêmio Othoniel Menezes de poesia e o Prêmio Câmara Cascudo de prosa, além da publicação da revista “Ginga”, prometida para novembro do ano passado. Ela atribuiu a sua saída por um “motivo ideológico”. “Estávamos com vários projetos prontos, para darmos andamento, mas só recebia o silêncio por parte da presidência da Funcarte. Eu só soube de muitas informações através da imprensa”, disse. Cláudia afirmou “não saber os motivos de tamanha negligência”.

Rodrigues Neto rebate críticas e garante o ELE

Ao saber da carta aberta divulgada por Cláudia Magalhães, o presidente da Fundação Capitania das Artes, Rodrigues Neto, rebateu na noite de ontem as críticas da ex-coordenadora da Funcarte e falou que “se houve negligência, a culpa foi da prór-pia Cláudia Magalhães”. Além disso, ele confirmou o ELE para os dias 29, 30 de abril e 1º de maio no Teatro Alberto Maranhão e a realização de uma parceria com o governo de Salvador, através da UCCLA (União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa) no evento.

Rodrigues afirmou que, ao assumir a presidência do órgão, deu carta branca para Cláudia Magalhães seguir no projeto do ELE. “No entanto, ela passou quase dois meses sem nem aparecer na Capitania”, disse. Ele falou que por diversas vezes tentou entrar em contato com ela, mas não conseguiu. “Ela, sequer, entrou enviou os emails para escritores para falar da mudança de data do evento”, disse.

Rodrigues garantiu ainda não houve negligência quanto aos editais dos prêmios Othoniel Menezes e Câmara Cascudo. Eles devem ser lançados no próximo mês pela Funcarte. “Os editais estão prontos e no início de março vamos convocar uma coletiva para divulgar as datas dos editais”, garantiu Rodrigues. Sobre a revista Ginga, Rodrigues Neto não deu previsão. “Só vou lançar, quando tiver dinheiro para pagar e mantê-la”, disse.

**********

Resposta de Cláudia Magalhães (ex-coordenadora do ENE)

Por meio desta pretendo responder às declarações do presidente da FUNCARTE, Rodrigues Neto, na edição do novo jornal de 20 de fevereiro de 2010.

1- Rodrigues disse quanto ao ENE, atual ELE: “se houve negligência, a culpa foi da própria Cláudia Magalhães”. Ora, se eu era a coordenadora geral do evento, acredito que eu era a principal interessada em que o mesmo acontecesse e que fosse um sucesso. Ademais, como coordenadora, não tinha o poder para liberar dinheiro, fazer empenho ou poder político algum, quem os tinham ou tem são justamente, o presidente da FUNCARTE, Rodrigues Neto e a Prefeita, Micarla de Sousa.

2- Rodrigues Neto afirmou que “ao assumir a presidência do órgão, dei carta branca para Cláudia Magalhães seguir no projeto do ELE”. Se eu tivesse “carta branca” o ENE teria acontecido em novembro de 2009, não teriam nem tempo para mudar de letra!

3- “Rodrigues Neto confirmou o ELE para os dias 29, 30 de abril e 1 de maio no Teatro Alberto Maranhão”, contudo a classe artística não sabe disso e a divulgação fraca atesta a falta de comunicação entre a FUNCARTE  e os artistas. Quais os nomes dos escritores locais já convidados? Serão mantidos os nomes já confirmados para o evento ou eles também serão negligenciados pela FUNCARTE? Houve algum conselho pra a escolha dos nomes? O conselho anterior (Carlos Fialho, Petit das Virgens, Margot Ferreira, Lívio Oliveira e Isabel Vieira) também foi negligenciado pela presidência da FUNCARTE?

4- Rodrigues diz que “Cláudia passou quase dois meses sem aparecer na capitania”. Ora, se foi assim por que não fui exonerada logo no primeiro mês de ausência? No fim das contas, eu pedi exoneração, assim como outros que não concordaram com a nova política da FUNCARTE. Mas a frase de Rodrigues é reveladora. Então ele aceitaria ou aceita na sua equipe pessoas que ficam dois meses sem aparecer? Interessante sabermos disso.

5- Rodrigues disse que tentou entrar em contato comigo. Ridículo. Meu e-mail e telefone estão na agenda do gabinete da FUNCARTE  e na SEPLAN. Além disso, todo o mundo artístico cultural tem os meus contatos, inclusive o próprio presidente da FUNCARTE. Afinal, Rodrigues telefonou do número da presidência para o meu celular na noite de 16 de novembro de 2009 para pedir o telefone do meu marido, o jornalista Cefas carvalho. A conversa dos dois está registrada no blog de Cefas (www.cefascarvalhojornalista.blogspot.com) em postagem no dia 17 de novembro de 2009. Para completar eu e Rodrigues fazemos parte da comunidade social da internet, o orkut, também um excelente maio de comunicação. Como muitas pessoas da sua equipe pode testemunhar, passei tardes inteiras em seu gabinete na esperança de ser atendida.

6- Rodrigues disse: “Ela sequer enviou e-mails para os escritores” Fiz bem melhor que isso, telefonei para os escritores informando a mudança do nome e da data e a confirmação de seus nomes no novo evento. Ficou acertado em reunião que eu não passaria e-mails e sim telefonaria para os escritores. Nesta reunião, além de mim e de Rodrigues Neto, estavam presentes o então presidente da FUNCARTE e já demissionário, César Revoredo, o chefe do departamento de atividades culturais, Josenilton Tavares, e o então assessor de comunicação, Dionísio Outeda.

7- Com relação aos concursos Câmara Cascudo e Othoniel Menezes, Rodrigues disse que “os editais dos concursos estão prontos e no início de março vamos convocar uma coletiva para divulgar as datas dos editais”. Os editais já estavam prontos desde setembro de 2009 e deveriam ter sido lançados em outubro/novembro do mesmo ano para que em março de 2010, no Dia da Poesia, fossem divulgados os vencedores, como foi prometido pelo então presidente César Revoredo, e pela prefeita Micarla de Sousa. Coletiva para divulgar os editais? Ridículo. Não há nenhum mérito nisso, esses concursos já são realizados há mais de vinte anos e com grande sucesso! Aliás, os concursos poderiam ser viabilizados com uma pequena fração dos recursos gastos no duvidoso Natal em Natal.

8- Sobre a revista GINGA, Rodrigues Neto não deu previsão. “Só vou lançar, quando tiver dinheiro para pagar e mantê-la”. Bem, as palavras de Rodrigues Neto atestam quase tudo que eu escrevi na carta e revelam a triste realidade da política cultural natalense!

ao topo