[Memórias Afetadas] “Minha primeira viagem lisérgica”

Hoje reestréio no Substantivo Plural. O caba vai ficando veio e começa a lembrar das histórias de vida. Algumas ajudadas pelo Ômega 3, quero acreditar nisso. Tempo desse fiz até um poeminha:

Esqueço
De tomar o remédio
Pra lembrar.

Pois bem. Sei também que muitas vezes a memória afetiva acaba ficando afetada. Por isso dei esse nome ao meu espaço de devaneios aqui.

Nesses tempos de pandemia, entre medos, angústias e afins, escapo no sonho, muitas vezes acordado. Aí vem uma vontade danada de viajar. Não vejo a hora de poder fazer isso de novo.

Meu pai, entre muitos ensinamentos, dizia que é importante na vida: datilografia (hoje substituída pela informática), inglês, ter amigos e viajar. Minha primeira viagem internacional foi pra Recife. Eu era criança e Recife pra mim parecia outro país. Na verdade foi minha primeira viagem interplanetária, ou lisérgica. E orgânica. Explico.

Inaugurada em 1929, loja Viana Leal tinha seis andares, ficava no centro da capital pernambucana e teve a primeira escada rolante do Norte-Nordeste, em 1954.

Fomos meu pai, minha mãe, eu e meu irmão mais novo Mário Ivo. Ficamos hospedados no centro, no Hotel Nassau. Caminhávamos à noite olhando as vitrines das lojas, e durante o dia pude finalmente conhecer a Mesbla e a Viana Leal – a primeira vez que vi uma escada rolante na minha vida. Ora, você imagine uma criança entrando numa loja e ao olhar para uma escada ver pessoas subindo como se estivessem flutuando. Uma experiência psicodélica inesquecível. Ah, Recife! A Veneza brasileira! O zoológico Dois Irmãos, as bolinhas de manteiga do café da manhã do hotel, o rio, as pontes… Mais tarde isso foi transformado em canção: “Rios, pontes e overdrives – impressionantes esculturas de lama”…

Mas antes de Chico Science & Nação Zumbi & Mangue Beat teve Alceu, Geraldo, Lula Cortes… O nordeste psicodélico setentista: “Você já pensou ir mais eu viajar? / Quando o Sol desmaiar”… 

“Olha essa sombra, esse rastro de mim

Olha essa sobra, essa réstia de sol

Ah, Diana nem ligou”…

Preciso trocar meu celular.

Poeta, cineasta, vocalista, performer e arquiteto [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo