Meus heróis relembrados

Na iminência da estreia no Brasil de “Thor”, filme dirigido por Kenneth Branagh e que conta, em seu elenco, com estrelas do quilate de Natalie Portman (“Cisne Negro”) e Anthony Hopkins, começo a relembrar momentos da minha infância em meio a heróis da Marvel Comics e de Stan Lee, além de outros.

Lembro da minha coleção de revistas com personagens do porte de um Capitão América, de um Namor (o “príncipe submarino”), de um Homem-de-Ferro, de um Demolidor, de um Wolverine, de um Homem-Aranha, sem contar os vilões terríveis, como o Magneto, Elektra, Doutor Estranho, Loki (o irmão mal de Thor, uma espécie de Caim da mitologia nórdica)…

Lembro que colocava as revistinhas dispostas no chão do quarto, formando um grande e colorido mosaico que me alegrava e me orgulhava. Também havia revistas como Akim e Zagor e muitas da Disney, Recreio, Maurício de Souza. Era uma beleza ler aquilo e depois me divertir com as imagens de sonho formando um quadro gigantesco e policromático, com as capas lustrosas das revistas.

Certo dia, ao retornar da escola, descubro que um dos meus irmãos – num ato de extrema molecagem – havia vendido todas as revistas na mercearia de seu Joaquim Metade. Pois é. Era assim como se fazia conhecer (não me perguntem o porquê) aquele vetusto negociante de quinquilharias lá do Barro Vermelho, que adquirira a preço de banana exemplares de minhas fantasias de menino sonhador.

Não tive condições de reaver as minhas revistas, com meu único cruzeirinho que meu pai havia me dado para tal finalidade. Joaquim Metade colocara as revistas dependuradas como cordel e vendia cada uma exatamente a um cruzeiro.

Triste.

Hoje, já perdoei o meu irmão por tal negociação escusa. rsrsrs. Mas, confesso: ainda me dá uma tristeza danada por não poder ter em mãos aquelas belas encadernações coloridas dos anos 70.

Contento-me, portanto, com as novidades do cinema, que tem resgatado os meus heróis de infância, com muita qualidade e maior dinamismo. E um colorido ainda mais vivo.

Ainda mais em dias como esses, em que não tenho mais heróis, nem ídolos.

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + dois =

ao topo