“Mind the gap”

Por Antonio Cicero

No metrô do Rio de Janeiro, quando o trem se aproxima de uma estação, ouve-se uma voz a anunciá-la, dizendo, por exemplo: “Próxima estação: Botafogo”. De um tempo para cá, começaram a anunciar a próxima estação também em inglês, como: “Next station: Botafogo”.

Em português, às vezes dão outras informações, como “estação de transferência para a Gávea” etc. Em inglês, porém, só dizem o nome da estação. Por isso, recentemente fiquei surpreso quando, tendo ouvido a advertência “cuidado com o vão entre o trem e a plataforma”, ouvi, em seguida: “Mind the gap”.

Isso me transportou para muitos anos atrás, quando eu morava em Londres. Lembro-me de que me divertia ao ouvir essa mesma sentença em algumas estações do metrô. É que “mind the gap” quer dizer, literalmente, “atenção ao vão” ou “cuidado com o vão”, o que já era sugestivo. Além disso, a palavra “mind” pode ser também usada como substantivo, significando “mente”. A expressão “mind the gap” pode, portanto, ser ouvida mais ou menos como “a mente, o vão”. E eu “viajava” um pouco com essa ambiguidade.

Naturalmente, não fui o único a perceber a graça de “mind the gap”. Há pouco tempo, tomei conhecimento de que existem ao menos um filme, uma produtora de cinema, uma companhia de teatro e um romance chamados “Mind the Gap”, todos inspirados na frase dita no metrô de Londres.

De todo modo, o prazer que eu sentia com a ambiguidade da sentença “mind the gap” dita no metrô era de natureza estética. Eu apreendia essa sentença à maneira de um “ready made” poético. Como se sabe, o conceito de “ready made”, cunhado pelo artista plástico Marcel Duchamp, designa um objeto já existente que, deslocado do seu contexto e colocado numa exposição ou num museu, pede para ser apreciado esteticamente. É o caso do urinol que Duchamp submeteu a uma exposição.

Na verdade, a intenção do gesto de Duchamp havia sido mais a de contestar a instituição da arte do que a de revelar a possibilidade de que qualquer coisa, mesmo a mais improvável, pudesse ser objeto de fruição estética: de que esta residisse mais na atitude estética do receptor do que na própria coisa. No entanto, creio que foi desse modo que a maior parte dos artistas e críticos sempre a entenderam.

Mais próxima de celebrar a atitude estética parece-me ser a peça musical de John Cage “4’33″”. Descrevo-a para o leitor que não a conheça. Trata-se de uma composição de três movimentos, composta para qualquer instrumento ou combinação de instrumentos. Os músicos entram, mas não tocam os instrumentos que seguram ou ante os quais se sentam. O primeiro movimento dura trinta segundos, o segundo, dois minutos e vinte e três segundos, e o terceiro, um minuto e quarenta segundos. O que os ouvintes realmente ouvem é o som ambiente. Trata-se, portanto, de aprender a captar esteticamente, como música, o que chamamos de ruído.

O fato é que assim como, nas artes plásticas, o “ready made” levou muitos artistas e críticos de arte a considerarem obsoleta a arte de pintar ou esculpir, na poesia ele levou muitos poetas e críticos literários a considerarem obsoleta a arte de fazer poemas. Entende-se: se é possível encontrar prazer estético num texto recortado do jornal, num trecho de diálogo de uma novela mexicana, numa sentença grafitada, numa frase ouvida ao léu ou na advertência do metrô, quem precisa da arte da poesia, de poemas ou de poetas?

A melhor resposta a uma pergunta dessas seria, evidentemente: “Ninguém”. Não é preciso arte ou poesia. “Toda arte é perfeitamente inútil”, como diz Oscar Wilde. E: “A única desculpa para fazer uma coisa inútil é admirá-la intensamente”.

Mas a verdade é que, embora a celebração da atitude estética tenha sido extremamente importante, é evidente que seria uma tolice inferir que, em consequência dela, a arte se tenha tornado obsoleta. Do fato de ser possível obter prazer estético de diversas fontes não decorre que se trate do mesmo prazer, seja quantitativa, seja qualitativamente: do fato de que se possa obter prazer estético tanto da sentença ouvida no metrô de Londres quanto do poema “Numa Estação de Metrô”, de Ezra Pound, não decorre que ambos tenham o mesmo valor. Pensar o contrário equivaleria a supor que, do fato de que os seres humanos são capazes de se deleitar com o som do vento nas copas das árvores, de habitar cavernas e de comer frutas silvestres, decorra a inutilidade da música, da arquitetura e da culinária.

ao topo