Morre Doc Watson, pioneiro do folk

Doc Watson

Por Benjy Eisen
NA ROLLING STONE

Doc Watson, pioneiro do folk, morreu na última terça, 29, em Winston-Salem (Carolina do Norte, Estados Unidos), devido a complicações de uma cirurgia abdominal. Ele tinha 89 anos e foi internado no dia 21 de maio, após sofrer uma queda em casa, informou o empresário dele.

Nascido em 1923 em Deep Gap, Arthel Lane “Doc” Watson influenciou diversas gerações de artistas do country, folk e bluegrass com seu modo de tocar violão. Watson ficou cego com 1 ano de idade, depois de uma infecção nos olhos, e cresceu em um ambiente muito musical graças aos pais, que se apresentavam no coral da igreja local. Aos 5 anos, Watson começou a tocar banjo e gaita, e em 1953 tocava guitarra em uma banda de country da cidade onde morava. A carreira solo deslanchou depois de uma apresentação no Newport Folk Festival em 1963, na época em que o folk estava se tornando um fenômeno cultural nos Estados Unidos. No mesmo ano, ele lançou o primeiro disco, Doc Watson and Family.

Watson ganhou sete prêmios Grammy e em 1997 recebeu do presidente Bill Clinton a National Medal for the Arts (Medalha Nacional das Artes), em reconhecimento ao impacto na música norte-americana.

Durante 15 anos, ele gravou e se apresentou ao lado do filho, Merle, que morreu em um trágico acidente de trator em 1985, aos 36 anos. O pai, então, fundou o MerleFest, um evento anual em Wilkesboro, na Carolina do Norte. O festival se tornou um destino procurado por músicos e fãs da cultura de raiz dos Estados Unidos.

Nos últimos anos, Watson deixou de fazer turnês, mas ainda fazia shows ocasionalmente e continuava no comando do MerleFest. Uma escultura do músico em tamanho real foi erguida na cidade de Boone, com uma inscrição que ele mesmo pediu: “Just one of the people” (“apenas um do povo”, em tradução livre).

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 − oito =

ao topo