Morro Como Um País promove debate em SP sobre Comissão da Verdade

Neste domingo (31/3), após apresentação do espetáculo Morro Como Um País no Sótão do Teatro Grande Otelo, que tem início às 19 horas, acontece debate com o tema O Papel das Comissões da Verdade. Ato de Protesto ao Golpe Civil-Militar de 1964. O colóquio tem participação de Ivan Seixas e Amelinha Teles, ambos integrantes da Comissão Estadual da Verdade do Estado de São Paulo e da Comissão de Familiares Mortos e Desaparecidos Políticos.

O encontro integra o projeto Morro Como Um País, da Kiwi Cia. de Teatro, com o objetivo é informar e conscientizar o público sobre a suspensão na Lei dos Direitos Humanos durante a ditadura militar. Esse é o terceiro de uma série de cinco debates programados para a temporada, que vai até 28 de abril.

Os encontros são sempre aos domingos, depois do espetáculo. O grupo já discutiu temas como Violência de Estado e violência na periferia com foco na luta do Coletivo Mães de Maio. Os próximos temas são: Arte, Cultura e Exceção (7/4), com a participação de Paulo Arantes e Marcelo Ridenti, e Mídia, Ditadura e Violência Institucional (21/4), com André Camarante e Tatiana Merlino.

A Kiwi Companhia de Teatro desenvolve pesquisas com foco na reflexão política social e estética.

O espetáculo Morro Como Um País

A montagem Morro Como Um País não segue um padrão formal de encenação; não há uma história com princípio, meio e fim. A Kiwi Cia. de Teatro usou como referência o texto literário Morro Como Um País, escrito em 1978 por Dimitris Dimitriadis (nascido em 1944), que é um verdadeiro testemunho de como o povo grego viveu a “ditadura dos coronéis” (1967/1974).

A concepção do diretor Fernando Kinas articula mais de 30 tablôs (quadros independentes) que são articulados para dar sentido de interpretação ao espectador. Morro Como Um País delineia quadros como em um jogo onde todos os presentes estão inseridos. Inclusive o espaço alternativo onde acontece a encenação complementa o cenário deste jogo cênico.

O objetivo da peça é colocar em foco a discussão sobre os momentos de exceção nas leis democráticas e de suspensão dos direitos, quando a ilegalidade tem aparência legal. Estas questões passam por fatos históricos – de transformação, justiça social, violação dos direitos humanos e violência praticada pelo Estado.

Debate: dia 31 de março

Horário/espetáculo: 19 horas – Horário/debate: 20h30

Tema: O Papel das Comissões da Verdade. Ato de Protesto ao Golpe Civil-Militar de 1964

Teatro Grande Otelo (Sótão)

Alameda Nothmann, 233 – Campos Elíseos/SP – Tel: (11) 2307-0020

Espetáculo: Morro Como Um País

Com a Kiwi Companhia de Teatro

Roteiro e direção geral: Fernando Kinas

Serviço/espetáculo

Temporada: sextas e sábados (20 horas) e domingos (19 horas) – Até 28/04

Teatro Grande Otelo (Sótão)

Alameda Nothmann, 233 – Campos Elíseos/SP – Tel: (11) 2307-0020

Ingressos: R$ 10,00 – Bilheteria: 4ª a 6ª (após 16h), sab. e dom. (após 14h)

Gênero: Drama – Classificação etária: 16 anos – Duração: 95 min

Não possui acesso universal – Aceita dinheiro e todos os cartões.

Ingressos antecipados: www.ingressorapido.com.br (4003-1212)

Estacionamento (interno) pela R. Alameda Dino Bueno, 353: R$ 15,00.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo