Morte em Paris

Por que o “Charlie Hebdo” foi atacado. As manifestações e o risco de mais xenofobia na Europa. Os sinais de um sistema em crise profunda

Pela Redação de Outras Palavras

Uma das hipóteses mais lúgubres do sociólogo Immanuel Wallerstein concretizou-se, em parte, esta manhã em Paris. Dois homens encapuzados e vestidos de negro, aparentando (ou simulando) ser fundamentalistas islâmicos, invadiram a sede de um jornal satírico francês, o Charlie Hebdo, e executaram, a rajadas de metralhadoras, ao menos doze pessoas. Entre os mortos estão o editor da publicação e outros três chargistas de enorme talento e renome internacional. Charlie Hebdo é irreverente, inclinado à esquerda e crítico às instituições religiosas. Esta postura levou-o, algumas vezes, a provocar o islamismo, religião de milhões de imigrantes oprimidos e discriminados na Europa.

Sejam quais forem os responsáveis pelo atentado, as consequências são potencialmente trágicas: aumento da onda xenófoba – especialmente anti-islâmica – na Europa. Crescimento dos partidos de extrema-direita. Reforço à postura ultra-agressiva que os Estados Unidos, com notável apoio da França, já adotam no Oriente Médio. Risco ampliado de guerras de provocação. Wallerstein adverte que a crise do capitalismo é profunda, mas poderá abrir espaço tanto para um sistema mais democrático e igualitário quanto para o oposto. Ao entrar em declínio, a ordem hoje hegemônica liberta a emergência e expansão de valores de um pós-capitalismo; mas engendra, ao mesmo tempo, riscos de um mundo ainda mais hierarquizado, violento e desigual. As circunstâncias do atentado e seu contexto parecem validar a hipótese.

Mais: http://outraspalavras.net/capa/morte-em-paris/

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Matheus D'Leon 9 de janeiro de 2015 16:37

    Querendo ou não,aqui no BRASIL,temos nossos TERRORISTAS do dia á dia,basta ligar a tv,jornais,revistas…
    Não quero dizer com isso que,o que houve com a morte dos jornalistas é comum,não,ao contrário é agora que todos devem se unir e ir em frente e que cada país possa ter uma segurança nacional melhor.
    Mas que nós temos terroristas todos os dias no BRASIL temos,”FACÇÕES!!!”.

  2. Matheus D'Leon 9 de janeiro de 2015 11:38

    “CHARLIE HEBDO”,as mentes atrasadas em nome do nada,uma afronta destilada ao pior dos seres humanos que encontra numa perda de tempo,tempo para matar a liberdade de expressão mas,os filhos desta liberdade vive e viverá sempre numa frase,numa coluna ou em um poema.
    Aos que partiram,devem estarem pensando,”Nós construimos e deixamos um legado para o futuro.”
    VIVA A LIBERDADE!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo