A morte do menino do Alemão

Por João da Mata

Uma “bala perdida” mata um menino de dez anos
Uma “bala perdida” mata um menino com um caderno
Uma “bala perdida” mata a vida em flor
Uma “bala perdida” atinge o tronco de uma nação partida

Nenhuma justificativa para tanta barbárie
O confronto entre partes do complexo do alemão
É a senha para um mar de impunidade

Não, não adianta correr
Em cada canto um olhar
Uma arma apontada e um tiro que nunca foi perdido
Porque sempre encontra um inocente

O menor gesto fotografado.
E a arma apontada para o crânio de cada trabalhador
Assim foi, assim será
E ninguém sabe o próximo alvo a ser atingido.

Correndo
Com fome
Parado.
Étnico
Gritando
com um caderno na mão
em casa
Professando outro credo
Ou atravessando a nado
Um mar de impunidade
Somos todos alvo

 

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Jota Eme 25 de abril de 2015 22:36

    Esse substantivo eternamente ameaçado
    Por fakers, hackers e silêncios
    pensam nos fazer amordaçados

    damata

  2. João da Mata 10 de abril de 2015 17:08

    Obrigado Maria Bacci.

  3. Maria Aparecida Anunciata Bacci 10 de abril de 2015 15:45

    Sim somos todos alvo da impunidade,que ceifa vida, em botão, em flor, num gesto automático sem compaixão, sem desvelo, assim foi a “Morte do menino do Alemão”, quantas mais, a minha, a sua a do vizinho. Triste é saber que hoje a vida vale muito pouco. Parabéns poeta, mais uma vez em seus poemas vem a verdade,lindo porém triste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo