Mossoroense ganha prêmio

Por Woden Madruga
NA TRIBUNA DO NORTE

O escritor João Almino, norte-riograndense nascido em Mossoró, é o vencedor do Prêmio Zaffari & Bourbon de Literatura da Universidade de Passo Fundo, do Rio Grande do Sul, onde se realiza também um dos encontros literários mais importantes do país, a Jornada Nacional de Literatura (começou ontem).

Lá estarão presentes, por exemplo, nomes como o de Gonçalo M. Tavares e Alberto Manguel. A notícia teve repercussão também em Portugal e mereceu destaque na edição de ontem do jornal Público, de Lisboa. Escritores portugueses, como o Helder Macedo um dos os 10 finalistas, estavam inscritos. Também o angolano Pepetela. Concorriam ao prêmio 288 escritores.

João Almino ganhou o prêmio com o romance Cidade Livre, editado pela Record, ano passado. Da notícia do jornal Público, destaco o trecho: Cidade Livre foi considerado o melhor romance de língua portuguesa, publicado no Brasil nos últimos dois anos, entre junho de 2009 e maio de 2011. O romance Natália, do escritor português Helder Macedo, publicado em 2009 em Portugal, pela Editorial Presença, estava entre os 10 finalistas do prémio considerado um dos mais importantes do Brasil”.

Entre os 10 finalistas estavam ainda Cristovão Tezza, com o romance Um erro essencial, José Silvério Trevisan (Rei do Cheiro), Luis Ruffato (Estava em Lisboa e lembrei de você), Pepetela (O Planalto e a Estepe), Rubens Figueiredo (Passageiro do fim do dia), Rodrigo Lacerda (Outra vida), Michael Laut (Diário da queda) e Adriana Lisboa, com Azul corvo.

Em edições anteriores venceram o Prêmio Zaffari & Bourbon, Cristovão Tezza, em 2009, Mia Couto (2007), Chico Buarque (2005), Plínio Cabral (2003), Antônio Torres e Salim Miguel, empatados em 2001, e Sinval Medina, 1999. Na comissão julgadora estavam Ignácio de Loyola Brandão, Miguel Sanches Neto, escritores, Regina Zilberman, Benjamim Abdala Júnior e José Luís Jobim de Sales, acadêmicos.

Além de ficcionista, João Almino é ensaísta e diplomata de carreira, ensaísta e professor de literatura e de filosofia política. Ensinou em universidades do México e dos Estados Unidos (Berkeley), na UNB e no Instituto Rio Branco. Já obteve outros prêmios literários. Nascido em Mossoró, sua obra é muito pouco conhecida no Rio Grande do Norte. Gostei muito dos seus três romances que li: este Cidade Livre, As cinco estações do amor e O livro das emoções, principalmente este último. Gostaria de ter conhecido aquele fotógrafo cego, o narrador-protagonista do romance que tem Brasília como cenário.

O prêmio é de 150 mil reais. Se a memória não me falha (e já dá sinais) João Almino é cônsul do Brasil em Chicago.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo