Muito natural

Por Janio de Freitas
FSP

O descaso com a ocupação de áreas de risco pode ser explicado pelo baixo lucro eleitoral de medida preventiva

ÀS VEZES, ACONTECE. A natureza desaba fora do lugar e estende os seus desastres a vales e colinas onde as condições prometiam tudo o que atrai as boas construções desejadas pelo poder aquisitivo. Quando acontece assim, a natureza contraria também o consenso que modelou, com o barro de cinco séculos, o nosso jeito brasileiro.

É a esse consenso, muito mais do que à natureza e ao acaso, que se deve a persistência dos desastres nas áreas de moradias frágeis, sobre terras sempre prontas a escorrer sob o chão batido e a encobrir os tetos e as vidas igualmente improvisados. É ao consenso, e não à mera “irresponsabilidade das ocupações permitidas de áreas de risco”, que se deve o encontro fácil e consentido entre as moradias pobres e a desgraça de desastres.

É certo que prevenir as calamidades da pobreza não dá voto. Mas há lógica em não o fazer. O governante que consente na ocupação de áreas de risco não teria por que voltar-se, em seguida, para a prevenção dos desastres previstos no risco. Seus motivos para o descaso são os mesmos que o poupam de interessar-se por esgotos e saneamento geral das áreas pobres, água tratada, auxílio à saúde, e outras sobras das zonas urbanas de boas classes.

O descaso com o modo de vida da pobreza é parte da nossa história de povo e de país. Os aglomerados de moradias por “ocupação de áreas de risco”, e também os de menores ou outros riscos, são continuadores dos aglomerados de ex-escravos. A libertação não significou o fim da visão racista, não incluiu o reconhecimento reparador da pobreza como dever do Estado, não incutiu sentido humano na aventura a que o ex-escravo seria entregue pela libertação. Já era, então, o descaso de hoje.

Um dos parágrafos duvidosos da historiografia atribui o surgimento do nome “favela” -palavra graciosa de injusto destino- ao aglomerado de barracos, no Rio, dos soldados vindos de Canudos e largados ao relento pelo Exército. Favela, como era chamada (se era) uma fava comum (se havia) na região da guerra. A favela criada no morro da Providência, onde, faz pouco, um tenente do Exército e sua patrulha prenderam três rapazes, vindos de uma festa. Os três cadáveres foram encontrados em um vazadouro de lixo longe do morro. Muito próprio da Providência e dos personagens.

O descaso com a ocupação de áreas de risco, favelas ou lá que denominação se dê, hoje pode ser explicado pelo baixo lucro eleitoral de medidas preventivas e saneadoras. Se a explicação é atual, o descaso é mais que secular. Aceito como parte da vida brasileira, sem reação alguma, jamais. Não houve catástrofe que mudasse a aceitação, sempre fortalecida pelos sentimentos de classe.

Está claro que não se estranhou, por exemplo, a reivindicação brasileira de fazer a Copa e a Olimpíada, ao custo de dezenas ainda incalculáveis de bilhões.

SINAIS

Nenhuma demagogia, muita objetividade, decisões adequadas, uma entrevista coletiva sucinta e suficiente: a estreia de Dilma Rousseff, em sua ida a áreas da catástrofe no Rio de Janeiro, foi muito promissora. Trouxe o que se pode desejar de uma Presidência em tais circunstâncias.

A primeira reunião ministerial, ao que dali passou para cá, seguiu os modos da viagem ao Rio. Os primeiros sinais são de algo novo.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =

ao topo