“Não há que evitar o nada…”

Fui ao Google atrás de uma foto para ilustrar o texto do poeta Márcio Dantas, mais abaixo, e deparei com este poema de Fiama Hasse, que reproduzo abaixo:

“Não há que evitar o nada, tanto mais
que o nada não pode ser evitado.
Se amas o diospireiro com seus frutos sorvados
dulcíssimos, Criança, após o prazer sossega
o teu desejo e vê, depois de alguns anos joviais,
que o nada chegou. Mas não vem só, porque ele traz
consigo os seus fecundos restos, que vão saciar-nos
como somente os pães e o vinho saciavam antes.
A multiplicidade está a ser-te oferecida,
olha um grão e outro grão, ainda um aroma, criança.
Sim, o nada é demais, que não o abarques na infância”.
Fiama Hasse

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − sete =

ao topo