Não riram

Por Fernando Veríssimo
O GLOBO

O filme italiano Vincere, do Marco Bellochio, é sobre uma das mulheres na vida do Mussolini. Inclui documentários da época da ascensão do fascismo e cenas reais do Mussolini no poder, discursando ou fazendo suas poses de Duce para multidões delirantes.

Se não fosse a diferença na qualidade das imagens, apesar do ótimo trabalho de restauração feito no material de arquivo, você poderia jurar que o Mussolini dos documentários é que é o falso, um péssimo ator num desempenho caricato e inverossímil, e não o que o interpreta no filme.

E no entanto este bufão mandou e desmandou durante vinte anos numa das grandes civilizações da Europa. Mais do que estranhar o fato da terra de Goethe e Bach ser também a terra da Gestapo e uma grande tradição renascentista e humanista não ter impedido o nascimento do fascismo, o que espanta, tanto na Alemanha do também caricato Hitler quanto na Itália de Mussolini, é a consagração do ridículo. O triunfo da histrionice fascista dependeu, antes de mais nada, de uma suspensão do senso de ridículo da plateia. Milhões morreram porque milhões não riram quando deveriam

O que nos traz ao Berlusconi. O atual primeiro-ministro italiano lembra Mussolini tão pouco quando a Frau Merkel lembra Hitler, mas sua chegada reincidente ao poder também dependeu de uma inexplicável pane no espírito crítico italiano. Se há um líder ocidental cujo caráter está exposto na cara é o Berlusconi, e no entanto, de novo, não riram, e o seguiram. Ou então, os tempos sendo outros, talvez o eleitor italiano tenha conscientemente escolhido o mais ridículo para se divertir e fazer uma profissão de desencanto. Depois de tantos anos de bagunça política, de tanta hipocrisia democrata-cristã e socialista, manter no poder um “mascalzone” explícito, representando nada mais do que os seus próprios bolsos, é uma forma de protesto. Apoiando um empreendedor sem escrúpulos bem-sucedido a maioria dos italianos teriam aderido ao cinismo da época, que também não deixa de ser um antídoto para a hipocrisia. No caso, estariam rindo com ele.

Vincere, por sinal, é um belo filme, na linha do cinema político que fazia na Itália, melhor do que ninguém, a geração do Bellochio. Ele deve estar com seus 70 anos. Continua em forma.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − dois =

ao topo