Nas escadarias da laicidade

“Propor um Plano Nacional de Proteção à Liberdade Religiosa enfatizando religiões de matriz africana como o candomblé e a umbanda é iniciativa importante. Chamam a atenção críticas dos próprios interessados indicando fragilidades e limites do plano porque seu lançamento não foi frustrado por esses limites, mas pelo que seriam suas “ousadias”, ao reconhecer direitos dessas minorias religiosas”. Roseli Fischmann

aqui

ao topo