Natal, 11/11/11 Sexta Feira

Caros colegas pluralistas,

Não fosse por nada a data de hoje tinha tudo para ser comemorada. Noite de lua cheia os lobos e lobas aparecem. As cerejeiras florescem, ainda é primavera. E o mundo não se acabou. O asteroide passou triscando e não tocou na Terra. Há 25 anos acontecia o maior terremoto de João Câmara da atual safra. Eu era um jovem cientista e nossa equipe descobriu a causa natural desses terremotos. Os maiores são bem sentidos em Natal. Existiam muitas crendices e lendas sobre esse enxame de sismos. No final do mês vamos receber o título de cidadão camarense. Pretendo escrever algumas laudas sobre essa importante efeméride científica determinante na minha vida profissional.

A Lua, satélite natural da Terra, tem tido ao longo das várias civilizações uma relação muito próxima com o homem e a terra. Desde tempos remotos os homens acreditavam que a Lua influencia diretamente as plantas, animais e o próprio homem. A Lua, também, é a principal responsável pelas marés terrestres e vem sendo ao longo dos tempos uma eterna musa inspiradora para poetas, artistas e contempladores do cosmos em geral. Muitas vezes o homem fica fascinado com a beleza da Lua – e, outras vezes, são possuídos de superstições e crendices que afetam seu dia-a-dia e o seu modo de se relacionar com a Terra, a vida, os deuses e o cosmos.

Muitos poetas e compositores deixaram-se influenciar pela magia da Lua. Entre os contemporâneos lembro os versos dos poetas que lhes ofereço nesse dia mágico e cheios de 1 :

Herbert Viana catou a “A Lua que Eu Te Dei” : Posso falar da tarde que cai / E aos poucos deixa ver no céu a Lua /
Que um dia eu te dei…

Nada mais a fazer que ver Luar, canta Gil : O Luar /Do Luar não há mais nada a dizer / A não ser /
Que a gente precisa ver o Luar.

O poeta Vinicius de Moraes compôs a Serenata do Adeus, interpretada entre outras cantoras, pela “enluarada” Elizeth Cardoso.

Serenata do Adeus (Vinicius de Morais)

Ai, a Lua que no céu surgiu / não é a mesma que te viu / nascer dos braços meus / cai a noite sobre nosso amor / e agora só restou do amor / uma palavra: Adeus…

E Lulu Santos orbitou lunático com alta voltagem em “Moon da Lua”

Videograma irradiando os céus
Desta cidade
Com ondas de amor
Com voltagem superior a
1000 megatons
Girando em órbita lunar
Sputnikes de gozo e de paixão
Já computaram minha programação
Com voltagem superior
A 1000 megatons
Girando em
”rbita lunar,
”rbita lunar,
”rbita lunar

Uma bela lua para vocês. E lembre-se: hoje não pode dormir.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Cláudia Magalhães 11 de Novembro de 2011 10:53

    Ô delícia é ler vc, meu querido João! Vou na lua e volto mais rápido do que jogando amarelinha na rua. Vamos marcar logo essa cerveja que a saudade é grande, poeta! Mil beijos, seu lindo.

  2. João da Mata
    João da Mata 11 de Novembro de 2011 13:38

    Claudinha querida, parabens por tudo. Admiro, sobretudo, a sua persistencia em fazer cultura em terras tão áridas. Vamos marcar o novo encontro susbstantivo. Aproveitar e confraternizar o fim do ano. Quem organiza o amigo secreto?

  3. Anchieta Rolim 11 de Novembro de 2011 14:19

    Belo texto! João, lembrei-me agora de uma música que também fala da lua e que por sinal é a minha favorita. Luar do Sertão (Catulo da Paixão Cearense). Um abraço!

  4. Cláudia Magalhães 21 de Novembro de 2011 16:14

    Obrigada, meu querido, pelas palavras. Vamos fazer esse amigo secreto sim, senhor! Posso ajudar no que for necessário. Beijos e beijos!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP