Natal exporta música invisível!

Eu sempre odiei a expressão que dizem ser de Cascudo que fala que “Natal não consagra nem desconsagra ninguém”. Acho que independentemente de onde você more, com alguma correria e muito trabalho dá para driblar os problemas e fazer as coisas acontecerem. Sempre fui um otimista e mesmo nesses tempos pesados de “artista vagabundo” e desvalorização da cultura pelos governos, continuo na mesma toada.

Tô aqui hoje para cantar vitória, porque choro é para quem não acredita em si próprio. Claro, você lamenta algumas derrotas, cai até uma lágrima aqui e outra acolá, mas o certo mesmo é balançar o esqueleto e seguir em frente sem olhar para trás. E sim, vários artistas potiguares têm feito isso com muito afinco e os resultados estão aparecendo.

Nossa música invisível orgulha a cidade, mesmo que ela mal saiba quem somos. Vou usar como exemplo só coisas que estão acontecendo nesta semana pra vocês terem uma ideia. O Plutão Já foi Planeta, sem padrinhos, com investimentos próprios (e muito esforço) tem se destacado no SuperStar tocando exclusivamente seu repertório próprio (enquanto a maioria das bandas do programa tocam covers e versões duvidosas). Estão com um disco lindo produzido pelo Gustavo Ruiz (irmão da cantora Tulipa Ruiz) e prontos para serem a próxima banda da cidade a ter agenda contínua fora daqui.

O Dosol está há duas semanas na Europa promovendo diversos shows em cidades como Lisboa e Porto. Falo de Barcelona onde participamos como palestrantes do Primavera Sound, um dos maiores festivais e encontro de música do planeta. Nossa fala foi sobre a Incubadora de bandas que desenvolvemos há cinco anos em Natal e que registrou Talma&Gadelha, Fukai, Monter Coyote, entre outros ótimos artistas. Duvido que algum gestor público da cultura local saiba do que se trata. Mas os espanhóis sabem muito bem.

O Far From Alaska, um dos orgulhos do rock potiguar está na França, participando do MIdem, outro grande encontro de música Europeu. E para terminar esses destaques ainda tem os caras do Mahmed, que tocam no Primavera Sound e já fizeram agenda extra em Madrid na semana passada. Ano passado os Camarones também se apresentaram no festival e não por coincidência, ambas lançam nos próximos dias disco e vinil no Sesc Pompéia em São Paulo, um dos espaços mais aclamados da música brasileira.

Sim, nossa música continua sendo invisível em Natal. Mesmo com bons públicos nos shows esses artistas continuam sendo anônimos para a maioria da população. Enquanto o prefeito de Barcelona se orgulha de ter um festival do quilate do Primavera Sound na sua cidade, aqui os gestores nunca pisaram nem para conhecer o Festival Dosol, só para dar como exemplo.

A música invisível continua sendo o lugar da inovação e do talento. Procure-a que vocês não vão se arrepender.

Comments

There are 3 comments for this article
  1. Carllinhos Pennas 2 de Junho de 2016 9:30

    The Bop Hounds, a única banda do Nordeste brasileiro a ter pisado em solo americano, berço do Rockabilly , para tocar e conquistar no maior festival do gênero do mundo, o Viva Las Vegas Rockabilly Weekend ano passado, esse ano integrando o senado cast da WILD RECORDS de Los Angeles California, entrando para a História do Rockabilly Nacional como primeira banda a integrar um selo do genero de origem norte-americana e com turnê fechada para novembro desse ano iniciando no Festival Gaúcho de Rockabilly e Cultura 50’s o BIG RIVER, também leva o nome de Natal a além mares. Além disso lançam seu full álbum pela Wild em meados de Outubro. Complementando..

  2. Carllinhos Pennas 6 de Junho de 2016 19:58

    Retificando: Única banda do Nordeste brasileiro DE ROCKABILLY… ( segue conforme original)

  3. Arllinhos Pennas 6 de Junho de 2016 20:01

    Retificando 2: onde lê-se SÁBADO leia-se SELETO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP