Natal pode ganhar uma coordenadoria e um Dia Municipal de Bandas e Fanfarras

Dizem que o inferno é cheio de boas intenções. Pois na Câmara Municipal também. Se uma delas se tornar verdade, alguém ali ganha passaporte para o céu. Seria ao vereador Raniere Barbosa. É que durante audiência pública realizada hoje, bandas musicais de escolas da cidade assistiram o clamor por mais incentivos a este trabalho, além de propostas, sugestões e promessas.

A audiência reuniu também representantes das secretarias municipais de Cultura, Educação, Assistência Social. Na ocasião, não sei o porquê já que nada foi concretizado, o vereador foi homenageado pela Ordem dos Músicos do Brasil com comenda de reconhecimento pelo incentivo à área. Por enquanto, deste blog recebe apenas um aplauso desconfiado, posto que é uma tentativa, pelo menos. Os elogios eu guardo para as promessas cumpridas. Do contrário, será apenas um “fanfarrão”, com o perdão do trocadilho.

Vejam: Raniere SUGERIU ao Município a criação de uma coordenadoria de bandas e fanfarras e IRÁ apresentar requerimento para a criação de projeto de cooperação técnica para a formação de regentes, além de PROPOR uma emenda coletiva para no próximo orçamento serem destinados recursos para a área. Ele também PROPÔS a inserção do dia 18 de setembro como o Dia Municipal das Bandas e Fanfarras de Natal.

Os representantes das secretarias municipais presentes apoiaram as sugestões e declararam que as pastas estão abertas a realizar um trabalho interdisciplinar para fortalecer a presença e formação de bandas musicais nas escolas. As bandas presentes fizeram, cada uma, uma apresentação em frente ao prédio-sede da Câmara Municipal, na Rua Jundiaí.

Segundo o presidente da Federação de Bandas e Fanfarras do RN, Lucival Alberto, existem 168 bandas em todo o estado, mas apenas 68 em atividade por falta de investimento e formação dos regentes. “Precismos investir, principalmente nas bandas de metais. Alunos não praticam por falta de investimentos na compra de instrumentos. É um trabalho que livra esses jovens da violência e estimula nos estudos”, relata o presidente.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. François Silvestre 24 de agosto de 2015 16:41

    Serjão, nesse tipo de assunto fico com suas dúvidas e com a opinião de Bembem. Em matéria de música, principalmente de Bandas de Música, Bembem é o “Roma locuta, causa finita”. Daqui, meu abraço procês!

  2. Bembem Dantasntas 24 de agosto de 2015 15:05

    Sem comentários Sergio Vilar. Coisa malassombrada. Nada contra as zuadentas fanfarras, mas deveriam estar discutindo para as escolas, na nossa opinião, outras necessidades como: Cumprimento da lei de inclusão de educação musical no currículo, concurso para professores licenciados em música. Falta de professores, segurança nas escolas, greves, condições físicas dos prédios, falta de laboratórios e muitos outros problemas. Estranho mesmos é a OMB metida nesse negócio. Muita gente está questionando isso. Enquanto isso os músicos continuam sofrendo todo tipo de de respeito e humilhação. Ora, ora pro novos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo