Nelson na avenida

Por Ruy Castro
NA FSP

RIO DE JANEIRO – Nelson Rodrigues tinha seis anos e meio no Carnaval de 1919, quando viu a primeira mulher nua, ou quase, de sua vida. Era uma odalisca de umbigo de fora, que, de um carro aberto num corso, jogava beijos para as calçadas. Nelson a conhecia. Era sua vizinha, uma santa senhora. Até então, só a vira de cara amarrada e vestido fechado.

Mas, naquele Carnaval -o primeiro depois da gripe espanhola, que matara milhares no Rio-, ela soltava literalmente os véus.

Ele nunca superou essa visão.

Aliás, Nelson nunca se habituou à nudez, que, para ele, tinha algo de sagrado. Por isso lamentava que o cinema, o teatro, a TV, o Carnaval, a praia etc. a estivessem vulgarizando. Seu termômetro era o “crioulo do Grapette”, o vendedor que, junto à sua carrocinha na calçada, olhava distraído a paisagem, ignorando as deusas douradas, molhadas, de biquíni, que saíam do mar para comprar o refrigerante.

Nelson será enredo de uma escola do Carnaval carioca de 2012, a Viradouro, de Niterói. Já há algum tempo, as escolas do Rio abandonaram a nudez pela nudez e contiveram a metragem de pele exposta a limites que até Nelson aprovaria. Em troca, a ideia que a escola talvez faça dele -a de um imoralista, baseada em personagens como a Bonitinha, mas Ordinária ou a Dama do Lotação- não poderia ser mais equivocada.

Não importa muito. Se os intelectuais passaram o século sem entender Nelson direito, por que uma escola de samba deveria deitar cátedra sobre ele na avenida?

O mais importante estará lá: Nelson como um baluarte da liberdade de expressão, da luta contra a censura e da identificação com o futebol, o subúrbio e a gíria do povo. A Viradouro deve brilhar, mas, para fazer justiça ao universo de Nelson Rodrigues -seus tipos, frases e obsessões-, uma escola é pouco.

Seria preciso um Carnaval inteiro.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo