Noel Rosa 100

Em dezembro de 2010 é comemorado o centenário de nascimento de um dos maiores compositores da música brasileira, Noel Rosa. No Brasil muitas comemorações em homenagem a esse maravilhoso compositor e poeta. Ocasião para ouvirmos sua música e assistir ao filme do Ricardo Van Steen. Celebremos!

Noel Rosa – Poeta da Vila.

Primeiro filme do designer e cineasta Ricardo Van Steen foi um dos filmes exibidos no 18º FestNatal. A história de um dos maiores compositores brasileiro de todos os tempos. Noel nasceu com um defeito no queixo e carregou essa chaga por toda a sua breve vida de boêmio vivida em menos de 27 anos. O grande sambista Wilson Batista apelou quando o chamou de “Frankstein da Vila” em música que fez parte da celebre disputa musical travada entre dois dos maiores sambistas brasileiro. Boêmio de muitos amores, Noel trocou a medicina pelo samba e compôs mais de duas centenas de clássicos da MPB: Pierrô apaixonado, Pastorinhas, O orvalho vem caindo. Feitio de oração. Não tem tradução. Pra que mentir. Conversa de botequim. Três apitos. Dama do caburé. Palpite infeliz, Último desejo, Fita Amarela, etc. Com o seu grande parceiro Vadico ele compôs “Feitiço da Vila”;

Quem nasce lá na Vila/ nem se quer vacila / ao abraçar o samba, / que faz dançar os galhos do arvoredo/ e faz a lua nascer mais cedo.

Um elenco primoroso de atores conhecidos e desconhecidos. Noel Rosa é vivido pelo excelente ator Rafael Raposo e Ceci (a dama do Cabaré) é protagonizada pela esfuziante e bela Camila Pitanga. Noel conhece o compositor Ismael Silva (Lazaro Ramos) – jogando chapinha, e entra definitivamente no mundo do samba e da malandragem. Conhece Cartola e outros grandes sambistas.

Noel foi um estudante de Medicina, e com base nesse conhecimento adquirido compôs o grande samba anatômico “Coração”. Tocou no famoso Bando dos Tangarás, um regional com jovens do seu bairro. Nesse conjunto participava o grande compositor e violonista norte-riograndense Henrique Brito.

Os amores de Noel.

A partir de uma paródia ao Hino Nacional, compõe “Com Que Roupa?”, seu primeiro grande sucesso. Aos 19 anos já é famoso e vende milhares de discos. Torna-se ídolo do rádio, é aclamado “filósofo do samba”. Boêmio e grande namorador conhece a operária Lindaura, de quinze anos, com quem começa a namorar.

Meses depois, conhece a dançarina Ceci e por ela se apaixona. Divide-se entre as duas mulheres, trabalha muito, dorme pouco, vive gripado e fraco. Denunciado pela mãe de Lindaura como raptor e sedutor de menores, é obrigado a se casar sob pena de prisão.

Descobre-se tuberculoso. Vai para Belo Horizonte e tenta recuperar sua saúde. Volta ao Rio de Janeiro, reencontra Ceci e abandona Lindaura. Em encontros ocasionais, engravida Lindaura. Ceci o deixa, e Lindaura perde o bebê. Uma tragédia de uma meteórica vida. Morre antes de completar 27 anos.

Uma de suas interpretes mais famosas e queridas foi a cantora Aracy de Almeida que gravou dezenas de sucessos do genial compositor.

Um de seus últimos sucessos é a antológica canção “Último Desejo”, em homenagem ao seu grande amor, Ceci.

Último Desejo / Noel Rosa

Nosso amor que eu não esqueço, e que teve o seu começo
Numa festa de São João
Morre hoje sem foguete, sem retrato e sem bilhete,
sem luar, sem violão
Perto de você me calo, tudo penso e nada falo
Tenho medo de chorar
Nunca mais quero o seu beijo mas meu último desejo
você não pode negar
Se alguma pessoa amiga pedir que você
lhe diga
Se você me quer ou não, diga que você
me adora
Que você lamenta e chora a nossa separação
Às pessoas que eu detesto, diga sempre que eu não
presto
Que meu lar é o botequim, que eu arruinei sua vida
Que eu não mereço a comida que você pagou pra mim

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 − quatro =

ao topo