nós escrevemos poemas e eles lêem gramática

pôésià naõ ê màtèmátîcã.

Comentários

Há 10 comentários para esta postagem
  1. Jarbas Martins 22 de fevereiro de 2011 12:48

    eles não entendem sequer os noss herros tortográficos, jota.

  2. Jarbas Martins 22 de fevereiro de 2011 10:15

    olha, jota, eles não entendem nada como dzia maiakóvski num idignado poema. vá em frente com teus poemas, que são biscoitos finos como os de oswald de andrade.abraços, poeta.

  3. Marcos Silva 21 de fevereiro de 2011 5:51

    Jota:

    Não rejeite o filho-poema. Depois que ele ganha vida, pertence ao mundo mas a autoria se mantém para sempre. Parabéns.
    Uma correção: meu nome é Marcos.

  4. Jota Mombaça 20 de fevereiro de 2011 23:09

    carito é um bicho intangível, um menino

  5. Jota Mombaça 20 de fevereiro de 2011 23:02

    Taí, Lívio… Você me fez a pergunta cabal: poesia não é … ? E eu fiquei desmantelado!

    Ainda estou!

    Poesia não é … ? Poesia não é … ? Poesia não é … ? Poesia não é … ? (segue ecoando)

    Poesia será.

  6. Jota Mombaça 20 de fevereiro de 2011 22:56

    Doutor Marcos Silva, fique com este poema para você, como um presente sincero: você o soube fazer muito, muito melhor do que eu.

  7. carito 20 de fevereiro de 2011 17:04

    amor temático
    só quando muito mar
    quando muito matemático
    que resultado espero?
    loves fora
    zero!

  8. Marcos Silva 20 de fevereiro de 2011 17:01

    Gostei desse poema: pó e si (ah!) não é má temática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo