O Caminhante

Por Jota Mombaça

O caminhante arranha a superfície da terra e canta canção que eu desconheço mas que me alcança porque eu me reconheço em tudo quanto eu desconheço porque eu me reconheço no que eu não posso saber

O caminhante mastiga o pão do lixo e náusea a náusea que não me afeta mas me machuca porque o que não me afeta me machuca porque o que não me afeta me despedaça

O caminhante rasga a carne nos escombros e chora um choro que a mim não molha mas encharca porque me encharca tudo aquilo que me seca porque desaguo para aquele que peca

O caminhante corta os pulsos da estrada e sangra um sangue que a mim não suja mas me anemiza porque me anemiza aquilo que não se alimenta porque me anemiza o que nunca se ameniza

O caminhante deflagra o feio da vida e morre uma morte que não me culpa mas me atormenta porque me atormentam os que não me culpam pois se não me culpam sou tão podre quanto és/sois

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × cinco =

ao topo