O Dia D de Clarice

“De manhã na cozinha sobre a mesa vejo o ovo. Olho o ovo com um só olhar. Imediatamente percebo que não se pode estar vendo um ovo. Ver o ovo nunca se mantêm no presente: mal vejo um ovo e já se torna ter visto o ovo há três milênios. – No próprio instante de se ver o ovo ele é a lembrança de um ovo. – Só vê o ovo quem já o tiver visto. – Ao ver o ovo é tarde demais: ovo visto, ovo perdido. – Ver o ovo é a promessa de um dia chegar a ver o ovo. – Olhar curto e indivisível; se é que há pensamento; não há; há o ovo. – Olhar é o necessário instrumento que, depois de usado, jogarei fora. Ficarei com o ovo. – O ovo não tem um si-mesmo. Individualmente ele não existe.” O Ovo e a Galinha. Clarice Lispector.

Quem veio primeiro o ovo ou a galinha eis a pergunta filosófica que inquieta o homem desde sempre. Para Clarice o Ovo não existe individualmente …

No dia em que é comemorado o dia D de Clarice Lispector, lembro do belo conto “Ovo e a Galinha” do livro Legião Estrangeira. Esse conto foi filmado com roteiro a quatro mãos do cineasta Luiz Carlos Lacerda em parceria com Clarice. Luiz morava na famosa Casa 9 no bairro de Botafogo – RJ, reduto de grandes artistas e abrigo para muitos que chegavam ao Rio de Janeiro. Na casa 09 não tinha telefone e o cineasta narra no documentário homônimo como recebeu um telefonema – via vizinho – da famosa escritora. Ao atender o telefonema, entre perplexo e maravilhado, o Luiz respondia com palavras isoladas. Não podia demonstrar toda a sua euforia na frente dos vizinhos desconhecidos que ouviam a conversa. Depois Clarice vem na Casa 09 para conversar com Lacerda de viva voz e sugere coisas mirabolantes. A presença daquela mulher bem vestida e séria chamou a atenção de todos.

Pena que não ficou registro da visita da nobre senhora. O roteiro foi concluído em 1974 e filmado com grande elenco; Lucélia Santos, Carla Camurati, Chico Diaz, Louise Cardoso, Karla Martins, Claudio Perotto e Rodney Pereira. O filme foi dirigido pela sobrinha de Clarice, a cineasta Nicole Algranti. Um curta-metragem de 11 m em 35mm. Uma bela homenagem à escritora da Hora da Estrela, outro belo texto seu filmado.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. João da Mata 19 de abril de 2012 15:42

    Uma imagem de prazer por Clarice Lispector

    children´s corner

    Conheço em mim uma imagem muito boa, e cada vez que eu quero eu a tenho, e cada vez que ela vem ela aparece toda. É a visão de uma floresta, e na floresta vejo a clareira verde, meio escura, rodeada de alturas, e no meio desse bom escuro estão muitas borboletas, um leão amarelo sentado, e eu sentada no chão tricotando. As horas passam como muitos anos, e os anos se passam realmente, as borboletas cheias de grandes asas e o leão amarelo com manchas – mas as manchas são apenas para que se veja que ele é amarelo, pelas manchas se vê como ele seria se não fosse amarelo. O bom dessa imagem é a penumbra, que não exige mais do que a capacidade de meus olhos e não ultrapassa minha visão. E ali estou eu, com borboleta, com leão. Minha clareira tem uns minérios, que são as cores. Só existe uma ameaça: é saber com apreensão que fora dali estou perdida, porque nem sequer será floresta (a floresta eu conheço de antemão, por amor), será um campo vazio (e este eu conheço de antemão através do medo) – tão vazio que tanto me fará ir para um lado como para outro, um descampado tão sem tampa e sem cor de chão que nele eu nem sequer encontraria um bicho para mim. Ponho apreensão de lado, suspiro para me refazer e fico toda gostando de minha intimidade com o leão e as borboletas; nenhum de nós pensa, a gente só gosta. Também eu não sou em preto e branco; sem que eu me veja, sei que para eles eu sou colorida, embora sem ultrapassar a capacidade de visão deles (nós não somos inquietantes). Sou com manchas azuis e verdes só para estas mostrarem que não sou azul nem verde – olha só o que eu não sou. A penumbra é de um verde escuro e úmido, eu sei que já disse isso mas repito por gosto de felicidade; quero a mesma coisa de novo e de novo. De modo que, como eu ia sentindo e dizendo, lá estamos. E estamos muito bem. Para falar a verdade, nunca estive tão bem. Por quê? Não quero saber por quê. Cada um de nós está no seu lugar, eu me submeto bem ao meu lugar. Vou até repetir um pouco mais porque está ficando cada vez melhor: o leão amarelo e as borboletas caladas, eu sentada no chão tricotando, e nós assim cheios de gosto pela clareira verde. Nós somos contentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo