o epitáfio do epitácio

Gostei, Jarbas. Mudarei somente a pontuação e outras coisinhas:

Ah! Lívio!

“O poeta das barbas marfins,

o maior erromeu,

morreu.”

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Anne Guimarâes 31 de março de 2011 14:06

    Lisonjeada, meu amigo de alma e cor.
    Estamos sempre juntos, unidos pelo fio etéreo
    que nos une entre as palavras e a afeição genuína.
    Beijos no tom da sua paz!!
    🙂

  2. Lívio Oliveira 31 de março de 2011 10:49

    Anne, amiga, minha amiga delicada, Jarbas continua sendo o nosso mestre amado. E será sempre assim, mesmo quando eu morri (rs).

    Bati um bom papo com ele, hoje cedo (acordamos mui cedo). Uma delícia de conversa, conversa inteligente. E rimos muito, não só dos fakes e similares, mas de nós mesmos, principalmente.

    Pra quem sabe cultuar os verdadeiros amigos…como você sempre faz.

    Sou pra poucos. Sou pra gente como você.

    Beijinho.

  3. Jarbas Martins 31 de março de 2011 10:46

    Que bom ler você no lado esquerdo do coração.

    Você é todapoesia,Anne, a começar pelo teu nome, dunas entre vogais.Bjs.

  4. Anne Guimarães 31 de março de 2011 10:07

    Risos…
    Só mudou umas coisinhas…. sei.
    Beijos para Jarbas, nosso amado mestre!
    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo