O escafandrista e a sereia

escafandrista e sereia

Descendo
Às profundezas
Dos seus sonhos,
Ignora a respiração

Até perder o fôlego:
Uma sereia o beijou.

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 7 comments for this article
  1. Anchieta Rolim 23 de Janeiro de 2014 22:39

    Danclads, você foi fundo na poesia. Parabéns, meu amigo!

  2. Marcos Silva
    Marcos Silva 24 de Janeiro de 2014 5:09

    Gosto dos múltiplos acontecimentos produzidos no poema: técnica (escafandrista) e fantasia (sereia), ir além de superficialidade (profundezas) e experiência imediata (sonhos), não precisar respirar (ignora a respiração) e precisar respirar (perder o fôlego), o beijo inaugural de tudo.
    A poesia torna possível o que ainda não existe.

  3. Jarbas Martins 24 de Janeiro de 2014 10:08

    A poesia toda nesta “touchstone” (pedra de toque):

    Até perder o fôlego:
    Uma sereia o beijou.

    Assim, poeta Danclads, sem título, sem mais nenhum verso.Roçando o haicai.

  4. Danclads Lins de Andrade 24 de Janeiro de 2014 20:39

    Valeu, amigo Anchieta pelo comentário incentivador.

  5. Danclads Lins de Andrade 24 de Janeiro de 2014 20:42

    Marcos, sua leitura sóbria e imparcial de meu poema me impulsionam ainda mais na busca do aprimoramento poético.

    Obrigado, amigo.

  6. Danclads Lins de Andrade 24 de Janeiro de 2014 20:45

    Jarbas, busquei dizer o mínimo, daí roçar no haicai.

    Obrigado, poeta.

  7. Jarbas Martins 25 de Janeiro de 2014 6:27

    grato,, poeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP