O Estado de todas as culpas

“A dramatização do Estado ineficiente e corrupto serve como fachada para “representar” a política sob a forma simplista, subjetivada e maniqueísta das novelas, enquanto se cala e se esconde acerca das bases de poder real na sociedade. Toda a aparência é de “crítica social”, enquanto toda ação efetiva é a da conservação dos privilégios reais. ” JESSÉ SOUZA

aqui

ao topo