O fim do som da mata

Soube agora a pouco que o projeto Som da Mata terminou por pura burocracia: não repassaram os encargos financeiros aos coordenadores do projeto.

Visitei algumas vezes o Parque das Dunas para ver, aos domingos, a já tradicional música instrumental, extraída do talento dos melhores músicos do estado. Só para citar o exemplo da semana retrasada, estavam lá o guitarrista Manoca Barreto, o saxofonista Costinha e o baixista Júnior Primata. Coisa excelente de se ver.

Com esse, é mais um programa praticamente gratuito (R$ 1 para quem não é sócio do Parque) extinto por falta de verba. Outra lamentável perda foi o Domingo na Praça. Na última semana que fui, o deputado Fernando Mineiro estava lá com a família. Espero que se sensibilize com os amantes da boa música, do clima tranqüilo e cercado de vegetação nativa.

E eu que falei no texto passado das coisas boas e gratuitas…

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article
  1. Ka 17 de Outubro de 2007 20:31

    Este comentário foi removido pelo autor.

  2. Ka 17 de Outubro de 2007 20:38

    eu quaaase que ia semana passada (diogo guanabara) – é (era!) um programa maravilhoso, ainda mais num domingo. não vejo mais (quase) nada agradável pra se ir nesta cidade, nada MESMO. e isso é falta de verbO, isso sim. quem não tem verbA sou eu pra tirar minhas xérox, que dirá para um evento caro e ruim. daqui a pouco a verdade cai aqui como uma bomba atômica e destrói a todos.

    vou embora pra pasárgada!

  3. Rafael 19 de Outubro de 2007 15:43

    O problema burocrático foi resolvido no mesmo dia e o projeto não vai parar. Menos mal. Mas que assustou uma ruma de gente, assustou!

    Abs.

    À propósito: quando é que a gente vai falar de futebol?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP