O governo do RN quer um carnaval de uma nota só

Por Anderson Foca
NO SITE DOSOL

Ontem, o produtor cultural potiguar Marcelo Veni, um dos mais ativos agentes de cultura do estado, fez relatos através do twitter sobre o edital que o Governo do Estado do RN pretende lançar para as atividades do carnaval 2012.

O que a princípio seria uma boa notícia na verdade mostra o quanto a política pública do RN para cultura está defasada e andando para trás (e já não é de hoje). Marcelo relatou que o edital do Carnaval 2012 “apenas atenderá as atividades tradicionais do carnaval como blocos, bailes e agremiações carnavalescas” e que “sonoridades não tradicionais do carnaval não terão como ser enquadradas”.

Gente, é sério. Estamos em 2012 e não é possível que ainda tenhamos que ler algo assim vindo do poder público. O carnaval é uma festa de cunho popular com origem nas crenças religiosas mas que há muitas gerações foi adotada pelo brasileiro como uma espécie de celebração da alegria e da diversidade que (graças a jah) impera no país. É por isso que no sertão pernambucano se brinca Maracatu, o boi vai às ruas no Maranhão, as marchinhas melodiosas desfilam pelo Recife Antigo e as agremiação carnavalescas mostram o seu deslumbre no Rio de Janeiro.

Carnaval é uma festa para todos!

Será que o Governo do RN sabe que quanto mais diversidade no Carnaval mais grandioso ele é? Será que o governo acha que pagode baiano, frevo pernambucano e samba enredo carioca é tudo o que as pessoas querem ouvir e ver no carnaval? Nada contra esses ritmos, somos muito a favor das festas populares mas achar que o carnaval é só isso é dar um tiro no pé da nossa cultura.

Só para dar um exemplo, o maior carnaval do país, o carnaval pernambucano, é hoje um dos que mais atrai turistas do Brasil e do mundo. Quer coisa melhor do que você poder assistir gratuitamente shows das mais variadas tendências pela sua livre escolha? Calypso, Spok, Elba Ramalho, Céu ou Nação Zumbi? Qual é o meu carnaval? Livre arbítrio para escolher!

Aqui em Natal o Dosol começou a plantar uma ideia de diversidade no carnaval promovendo a Chamada Carnavalesca do Rock, junto com outras iniciativas como mostras de hip-hop, reggae e afins. Em cinco anos de atividades completadas na edição de 2011 quase 20.000 pessoas já passaram pelo nosso palco alternativo. Ano passado , o carnaval “roqueiro” (mas que também recebeu artistas como Banda do Buraco da Catita, Dusouto e Valéria Oliveira) foi um dos pólos mais concorridos do carnaval de Natal, reunindo mais de 4.000 pessoas numa atividade que foi sucesso de crítica e público.

Não nos deixar se quer concorrer num edital carnavalesco aberto pelo Governo do RN (nem nós nem nenhuma iniciativa dita alternativa ao “carnaval tradicional”) é uma demonstração clara do desconhecimento do que tem acontecido na cultura (real) do estado e um atentado a diversidade cultural tão presente na cultura potiguar e brasileira.

Ainda dá tempo de reparar o erro.

PS: A Chamada Carnavalesca do Rock, independente de financiamento municipal ou estadual vai acontecer na terça de carnaval na Rua Chile, Ribeira!

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Daniel Menezes 5 de janeiro de 2012 0:17

    Texto elucidativo. As iniciativas estaduais e municipais deveriam garantir espaços, inclusive, para quem não gosta de carnaval.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo