O mágico Amós Oz

Paz,
paz eu disse paz
Vivendo num mundo em conflito Amóz deseja paz. Entende que só com uma solução negociada acabará o conflito Palestino-Judeu. Com um estado binacional.
Entre as tragédias prefere a tchecoviana em detrimento da shakespeariana.
O gato só ama a quem pode amá-lo, ele narra no belo romance “ Meu Michel”.
Desencontros amorosos existem. Podemos amar como os gatos, gritando e fazendo barulho.
E preciso escrever sobre o que se esqueceu. E não o que se esqueceu do esquecido.
Assim como nessa tarde onde o dia vai abrandando e amolecendo o homem pode no dia da vida ir amolecendo e se amoldando.
Sim, a literatura é necessária. Importante ler Amóz.
Quando não mais a palavra puder entraremos no mundo do caos e da desordem.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 14 =

ao topo