O minimalismo de “Nada me faltará”

Por Lourenço Muratelli

Sou um grande admirador da música minimalista. Glass, Cage, Pärt, Bryars, Eno, Ostertag, Reich, etc… Embora meus primeiros romances reflitam isso (O cheiro do ralo, O natimorto) tentei experimentar algo diferente em A arte de produzir efeito sem causa.

aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo