O Pacto Social e a Realidade Brasileira (Uma análise à luz dos acontecimentos no Rio de Janeiro).

guerra

“O fraco rei faz fraca a forte gente” (Luís Vaz de Camões).

Até a conclusão deste artigo, foram 45 carros queimados e 27 mortes. O Rio de Janeiro está vivendo uma guerra civil. Marginais de dentro de presídio localizado no Paraná organizam ataques a veículos na “Cidade Maravilhosa” e a Polícia se vê impotente para combatê-los. Dentre os bandidos que executam os ataques encontram-se menores de idade.

Os reflexos desta situação são a banalização da violência e a “glamourização” do crime. Alguns jovens, sem instrução e educação familiar adequada, além de enveredarem no crime, tem na conta de ídolos alguns chefes do tráfico de drogas, em uma verdadeira inversão de valores.

Este é um quadro dantesco que expõe bem a quebra do pacto social naquele estado e a falência estatal, abrindo-se margem à escalada de mais crimes; fazendo com que a sociedade fique refém de “ilustres autoridades” do tráfico de drogas que ditam o ritmo da vida nos morros do Rio.

Um pacto pressupõe o compromisso das partes contratantes. A quebra de uma determinada obrigação pode ensejar a rescisão contratual. Neste sentido John Locke, Thomas Hobbes, Jean-Jacques Rousseau e tantos outros pensadores propuseram o contrato social, baseado em um pacto entre o Estado e a sociedade.

A ausência do Estado, a falta de segurança, de saúde, de educação e outros serviços que deveriam ser prestados com eficiência pelos entes federativos, se constituem em problema não só fluminense, mas de âmbito nacional: o Rio de Janeiro é só um fragmento do mosaico estatal brasileiro.

No Brasil, diante da ineficiência (ou em alguns casos inexistência) da prestação dos direitos básicos do cidadão, tais como: saúde, educação, moradia e, principalmente, segurança (compromisso primeiro do Estado na acepção de Norberto Bobbio), tem feito com que a reação por parte da sociedade descambe para o caos e para o vazio de poder, em uma espécie de volta ao estado natural. Entretanto, as omissões do nosso “Leviatã” explicam, mas não justificam os atos perpetrados por criminosos de toda sorte, quer sejam de colarinho branco, quer sejam descamisados.

E, como bem expôs a poetisa Ednar Andrade, em conversação que tivemos, onde a mesma, que não faz questão de negar ser vítima do seu efeito devastador no seio familiar, erguendo a bandeira da luta contra as drogas, até mesmo em seus escritos, onde já divulgou protestos, afirma que “só sabe quem sente, quem passa pelo fel e bebe na taça esta desgraça” e que a droga “Arrasta para a lama o seu algoz, transita em liberdade e leva consigo os seus fieis servos, devasta e puxa. Puxa pela boca o coração dos que dele precisam… Preciso é, um olhar sério sobre o efeito devastador na sociedade, nos lares, nas famílias destroçadas” (in: Branco como a Lua), reafirmando suas palavras que:

“E não adianta a demonstração de um tratamento profilático nos ‘dentes’ da violência que mordem de forma muito suja a sociedade, corrompendo, destruindo lares, famílias inteiras, que compartilham de forma lamentável, com perdas irreparáveis dos seus entes queridos, esta desordem nacional. A assepsia tem que ser feita de forma direta, dentro da ‘boca’ e partindo para os ‘dentes’ desta violenta conjuntura”.

Á guisa de conclusão, vale lembrar aqui do art.16 da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 26 de agosto de 1789:

“Art. 16. Qualquer sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos, nem estabelecida a separação dos poderes, não tem Constituição”.

(Danclads Lins de Andrade).

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Diógenes Guimarães 26 de outubro de 2011 14:58

    Riolight Dica Guimarães Jr,esta musica é uma homenagem ao Rio de Janeiro.Que ao meu ver tem um cenário ideal Cinematográfico e Substantivamente Plural !!!! E assim como Hollywood
    inventou os Estados Unidos,a Cidade Maravilhosa tem tudo para sí reinventar; e desenvolver o Brasil a começar pelo Pré-Sal; e deslumbrar o mundo com o seu Potencial economico,turístico e Cultural etc. Agora para os Organizadores e ,coordenadores do Substantivo Plural eu confesso que nunca fui um compositor de músicas de protestos,e sim de baladas.Eu sei que o mundo já acabou mesmo… risos !,E tudo é pós-moderno e eu sou um velho saudosista que já morreu .!!!!..E isso pra mim inão é nenhum problema.Eu continuo ouvindo os mesmos artistas que eu ouvia antes..O R&B soul e o pop dos .Bee Gees ,Gilberto Gil ,MarvinGaye ,Lionel Richie, ,Ray Charles,Tim Maia ,Michael Jackson,Stevie Wonder Chic,Earth Wind & Fire,Chicago,Flavio venturini,, Caetano Velloso ,Rod Stewart ,Christopher Cross,Simply ,Yolanda Adams, Red ,Fagner,Roupa Nova.Luther Vandross,George Benson .Whitney Houston,Anita Baker,Aretha Franklin,Gladys Knights,Brian Mcnight ,Babyface e suas produções,Toto Organisation,QuncyDelight Jonnes Júnior,Jimmy Jam & Terry lewis productions e Torquato Mariano..

    CARAPUÇA é um desabafo de quem já não aguenta mais…S.O.S.

    http://www.youtube.com/watch?v=ZdzrMGyL1yo (confira o vídeo RIOLIGHT)

    RIOLIGHT DICA GUIMARÃES

    Tudo bem se tem que ser assim
    Não vou mais ficar tão down aqui
    Entro no meu carro pego a estrada pra seguir
    Fujo do trabalho só pra me distrair…
    .
    Vou seguindo o arpoador,o corcovado O cristo redentor
    Corro pelo o aterro,pedra da gávea por ai
    O Rio de janeiro quem pode resistir…Não !!!

    Quando o sol acende a luz abre um sorriso e
    E as pessoas enlouquecem no verão do Rio (refrão)
    Quando a brisa despertar os sentimentos
    Felicidade à todo momento pra viver..
    (Seu coração cor do verão nas ondas vou surfar ao por-do-sol)

    Como é lindo o leblon a paisagem luz neon

    E quando a noite chegar a lua estrela brilhar
    O sol abrindo caminho pra o dia raiar…

    L&M:DICA GUIMARÃES JR
    Email:dicajunior54@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo