O papa é papo

Amigos e amigas:

A admissão papal de uso de camisinhas por prostitutas tem vários ângulos para considerarmos:
1) Prevalece a ética do trabalho: no desempenho das profissões, suspendamos o pecado; a gente só peca no amadorismo, não na profissão – deve ser por isso que não houve condenação do genocídio nazista enquanto ele rolava, Hitler e seus liderados eram profissionais da matança em escala industrial.
2) Protege as prostitutas de doenças sexualmente transmissíveis e de uma gravidez indesejada, admitindo a retenção de esperma para fins de atividade profissional da mulher e do homem (ninguém lembra dos prostitutos) e de sexualidade sem envolvimento emocional pelo homem e pela mulher (ninguém lembra da clientela dos prostitutos). Legitima, portanto, sexo recreacional, sem fins reprodutivos.
3) Discrimina as mulheres que não são prostitutas (e faz de conta que não existem prostitutos). Se eu fosse mulher e não fosse prostituta, iniciaria um movimento: “Queremos ser tratadas como prostitutas pelo papa”. Se eu fosse prostituto, agradeceria ao papa pelo obsequioso esquecimento.
Vamos aguardar as novas medidas papais em relação a temas polêmicos, como as relações entre pessoas do mesmo sexo. Será que o exercício de pedofilia por membros eclesiásticos será afinal formalizado? Receio que muitas vocações sacerdotais possam se revelar a partir de então, inclusive da parte de seres que até agora nada revelaram sobre o tema.

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Lívio Oliveira 25 de novembro de 2010 14:20

    Tema e observações importantes, caro Marcossilva.

    Vale mesmo ficar atento aos próximos capítulos da novela vaticana.

    De qualquer sorte, já considerei um avanço mínimo, porém importante, no tratamento da questão da camisinha pelo líder maior da Igreja Católica.

    Abs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo