O preço do pluralismo

Cena de Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha

Amigos e amigas:

O pluralismo é uma jóia especialmente valiosa no tesouro deste Substantivo Plural. Ele nos força, todavia, a ler bobagens pomposas, de vez em quando. Ontem foi o suposto defensor (autoritário) da democracia. Hoje é o retórico atacante (puro vácuo) contra o Cinema Novo. Compreendo a necessidade do pluralismo, defendo-o inclusive. O problema é que tem uns que aproveitam a brecha e abusam do direito a dizer nada.
Vamos combinar uma coisa: existem discussões sobre democracia e Cinema Novo bem melhores, aproveitemos o horror dessas recentes para revisitarmos as outras.

Abraços a todos e todas:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + 17 =

ao topo