O século que não começou

“Fazendo referência a uma figura de Paul Klee intitulada Angelus Novus (ao lado) Benjamim escreveu “o que chamamos de progresso é esta tempestade”. Para além dos calendários, e das datas convencionais, a temporalidade nos arrasta. Mas não estamos diante do futuro, porque não o reconhecemos. A caminhada do homem no tempo é feita de costas, porque o passado está diante de nós, como uma ameaça de permanência, como um refugio melancólico, como um estrondoso amontoado de ruínas. Mas o futuro, esse desconhecido, está à nossas costas. Passamos por ele como se levados pela tempestade, mesmo que às vezes, ele relute um pouco em chegar”. Pablo Capistrano

aqui

ao topo