O “silêncio” de Llosa

Vargas Llosa, autor da obra prima “Guerra do Fim do Mundo”, deveria silenciar sobre política e ditadores. Não há autoridade histórica, nele, para criticar os ditadores de hoje, quaisquer deles, posto que calou e colaborou com seu silêncio ante as ditaduras de Fugimori e Pinochet.  Escritor de bom talento e político de caráter duvidoso, Llosa se enquadra na definição de Romário. “Calado é um poeta”.

Ex-Presidente da Fundação José Augusto. Jornalista. Escritor. Escreveu, entre outros, A Pátria não é Ninguém, As alças de Agave, Remanso da Piracema e Esmeralda – crime no santuário do Lima. [ Ver todos os artigos ]

ao topo