O taxista e a literatura brasileira

clarice“A coisa que eu mais admiro no mundo é a ponte.” Depois que ouviu esta frase, de autoria de um amigo de Clarice, Otto Lara Resende, Benjamin Moser adotou-a como uma espécie de lema. É dever de um biógrafo, afinal, estender pontes para todos os lados, e isso é ainda mais visível no Recife, a terra cheia de pontes em que Clarice Lispector aprendeu a ler e a escrever, recém-chegada das privações da Ucrânia e de Alagoas.”

aqui

Go to TOP